6 razões que motivam o rali ‘cruel’ das bolsas mundo, segundo o Pablo Spyer

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Alta nas bolsas é criticada por conta de protestos e coronavírus

  • Otimismo levanta bolsas e pode levantar Ibovespa mais uma vez

  • Alta já recupera três meses de perdas

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O economista Pablo Spyer, diretor da Mirae Asset, explicou nesta quarta-feira (3) quais são as principais forças que fazem as bolsas mundiais seguirem o movimento de alta. O rali de hoje vem sendo chamado de “cruel”.

Patrocinados



Patrocinados

As críticas giram em torno dos ganhos nas bolsas em um momento de forte crise no planeta. De um lado, os protestos que começaram nos EUA se espalham pelo mundo. De outro, a pandemia do coronavírus, embora arrefecida, ainda mata milhares.

Atualmente, as principais bolsas do mundo recuperam o patamar de três meses atrás. A subida ainda não elimina as perdas do crash de março, mas já diminui a distância consideravelmente.

Patrocinados



Patrocinados

Na manhã de hoje, as bolsas da Europa subiam 2,1%. Além disso, os EUA já avançavam 0,7%, apesar do aumento na tensão nas ruas.

Ontem, o Ibovespa subiu para 91 mil pontos puxada pela alta em quatro ações. No entanto, segundo analistas, isso não muda o fato de que a bolsa e a moeda brasileiras ainda são as piores do mundo no ano.

Participe da nossa Comunidade de Trading no Telegram para acessar sinais exclusivos de negociação, conteúdo educacional, discussões e análises de projetos!

Os seis motivos que puxam as bolsas mundiais

  • Reabertura

No Twitter, Spyer explica que o primeiro motivo da subida é justamente o otimismo com a reabertura. Desde a semana passada, a Europa e os EUA começaram a sair do lockdown e reativar suas economias. Hoje, a Itália volta a abrir fronteiras à União Europeia.

  • Vacina

Além disso, o mercado vê com bons olhos o avanço nas pesquisas de uma vacina para a Covid-19. Segundo a Reuters, o Pentágono já fala que espera obter uma vacina eficaz disponível para parte dos EUA já no final de 2020.

  • China

Outra razão do movimento de investidores é a alta do Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) da China. O PMI de serviços subiu para 55,0 em maio, antes 44,4 em abril. O número é visto como sinal de expansão de novos negócios internos.

  • Estímulos

Estímulos de governos representam o quarto motivo. A China confirmou nova ajuda e Arábia Saudita e Coreia do Sul anunciaram novos pacotes monetários. Além disso, há grande expectativa para o anúncio do pacote europeu que pode chegar a 850 bilhões de euros.

  • Desemprego

Além disso, contribui o fato de o último dado de desemprego europeu ter vindo abaixo do esperado. Enquanto era aguardado pelo menos 8,2% de desemprego, o bloco registrou 7,3%.

  • Petróleo

O preço do petróleo é sexto fator levado em consideração pelo mercado. Com o otimismo pela recuperação econômica, o barril de Brent subiu 3,3% para US$ 39,57, enquanto o WTI avançou 3,9%, alcançado US$ 36,81 por barril. A expectativa é que os países da OPEP + anunciem manutenção dos cortes na produção após reunião marcada para quinta-feira (4).

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Sou editor-chefe do BeInCrypto Brazil desde abril de 2021.

SEGUIR O AUTOR

Previsões de cripto com o Melhor Canal de Sinais com +70% de acertos!

Entre Agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora