As possíveis falhas que podem prejudicar o Ethereum 2.0

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • O tão aguardado lançamento do ETH 2.0 está chegando.

  • Os críticos argumentam que falhas fundamentais podem causar problemas na rede.

  • Vitalik Buterin, co-fundador da Ethereum, acredita que os riscos valem a recompensa.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Ethereum, e seu pródigo co-fundador Vitalik Buterin continuam chegando às manchetes. Isso não é surpresa com o tão anunciado lançamento do Ethereum 2.0 (ETH 2.0).



O ETH 2.0 representa um novo conceito de blockchain inovando no espaço de criptomoedas.



Ethereum 2.0 – um novo caminho a seguir?

A mudança fundamental para o ETH 2.0 envolve uma mudança do atual modelo de Proof of Work (PoW) para um totalmente Proof of Stake (PoS) (PoS) .

O sistema PoS difere do PoW, pois sua capacidade de validar blocos e participar do gerenciamento descentralizado da blockchain não depende da capacidade de processamento do seu computador.

Em vez disso, envolve o uso de vários tokens de cripto, bloqueando-os. O ETH 2.0 recompensará os usuários por apostar esses tokens, tanto em relação ao seu investimento quanto ao número de outros usuários apostando no blockchain.

Os usuários que apostaram no mínimo 32 ETH podem participar da votação das principais decisões do novo ecossistema.

Um caminho mais ecológico e eficiente para avançar

As vantagens do PoS incluem menos uso computacional e de energia, além de maior segurança contra hackers e participantes mal-intencionados.

Além disso, sem os requisitos cada vez maiores de processamento de blockchain, isso deve abrir o gerenciamento do blockchain para uma variedade maior de usuários.

Ainda restam dúvidas sobre a implementação do ETH 2.0. O co-fundador Vitalik Buterin participou recentemente de uma briga online com o CTO do SKALE Labs, Konstantin Kladko.

Kladko alega que a segunda versão não decolará:

Seu argumento é centrado no conceito ‘Ponte de mão única’ que existe dentro da nova blockchain. Os usuários que desejam participar da aposta na mais recente solução blockchain não poderão fazer isso usando a moeda fiduciária ou outras criptomoedas.

Em vez disso, eles terão que investir no mínimo 32 ETH, que será convertido em ETH2. Essa transação, como destaca Konstantin, só pode acontecer de mão única. Você não poderá trocar seu ETH2 de volta no ETH1:

Em outras palavras, você estará expondo seu ETH conquistado com muito esforço na nova plataforma, que o conhecido site Staking Rewards classifica como “muito arriscado”. Os riscos são vários:

  • Primeiro, você pode perder dinheiro imediatamente com base na conversão de ETH1 em ETH2 (uma perda de 50% no exemplo hipotético acima).
  • O segundo risco é que seu ETH investido não forneça garantia de um retorno lucrativo. Do valor final do ETH2 caindo abaixo do seu investimento original ou de uma penalidade por não cumprir efetivamente sua função como validador do ETH 2.0.
  • Em terceiro lugar, o ETH2 será um token cripto totalmente novo, e os usuários não poderão comercializar seu ETH2, incluindo todas as recompensas obtidas com o investimento.

Embora todo o ETH acabe sendo transferido para o ETH2, isso não acontecerá imediatamente e poderá demorar um pouco. De fato, tudo isso dependerá do lançamento bem-sucedido do novo sistema PoS.

A falha provavelmente resultará no bloqueio do seu ETH em uma moeda sem valor, sem nenhuma maneira de eliminá-lo.

Portanto, se as pessoas hesitarem em investir seu ETH, a nascente blockchain pode ficar sem os fundos necessários para lançar com sucesso. Como Kladko aponta, isso poderia ser bastante embaraçoso:

 

 

Vitalik, no entanto, foi otimista em sua resposta a isso, apontando que os usuários que já se inscreveram estão “bem cientes dos riscos”. Investir capital significativo em novas criptomoedas já é algo conhecido.

Isso cria uma suspeita comum: que esses projetos de cripto geralmente dependem de pessoas que se juntam sem entender completamente os riscos ou o sistema complexo que sustenta esses projetos.

Esta discussão enfatiza a natureza aberta e colaborativa da indústria de criptomoedas, e espera-se que Vitalik esclareça essas questões ainda nos próximos dias, provavelmente fazendo isso através das redes sociais.

Share Article

Lucas é formado em administração com foco em empresas. Iniciou sua carreira como analista de investimentos para bancos focados no segmento. Após adquirir experiência, em 2015 fundou sua própria startup, focada em gerar tecnologias de segurança para transações financeiras. Concomitantemente, desenvolve seu trabalho e conhecimento financeiro atuando no BeInCrypto, através de análises do setor financeiro de criptomoedas e novas avaliações de novas tecnologias Blockchain pelo mundo.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá