Banco do Brasil cobra cliente acima do permitido e coloca culpa no Bitcoin

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Banco do Brasil forneceu extratos de cliente à Justiça para comprovar compra de Bitcoin.

  • Compra de Bitcoin seria indicativo de fonte alternativa de renda.

  • Cliente busca impedir suposta cobrança a maior de empréstimos debitados em conta.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Caso que tramita na Justiça do Distrito Federal discute se cobrança do Banco do Brasil era ou não acima do estipulado em lei.



O Banco do Brasil usou a compra de Bitcoin por um cliente para justificar a cobrança de empréstimos por um valor maior do que o permitido por lei. O caso aconteceu em Brasília e ensejou um processo judicial contra o BB. Nesta quarta-feira (27), uma decisão de recurso confirmou a sentença de primeiro grau em favor do banco.

Reprodução/Agência Brasil

O cliente em questão é um servidor público federal aposentado. Apesar de realmente ter vários empréstimos ativos junto ao Banco do Brasil, ele teria decidido entrar na Justiça ao perceber que as parcelas debitadas de sua conta somavam mais do que o máximo de 30% do salário, conforme previsto em lei. Dessa maneira, alegou que os descontos prejudicariam sua subsistência.



O Banco do Brasil, no entanto, contestou a alegação lançando mão dos extratos do cliente. Segundo a instituição, a movimentação bancária, que incluía compra de Bitcoin, tornaria a acusação sem fundamento. Segundo o BB, portanto, as transações de criptomoedas na conta corrente do cliente indicariam que ele teria condições financeiras de honrar com o compromisso.

Justiça concorda com BB e considera que Bitcoin indica “fonte alternativa de renda”

No julgamento em primeiro grau, a Justiça decidiu que o Banco do Brasil tinha o direito de manter a cobrança das parcelas dos empréstimos. No entanto, ordenou a repactuação de um dos créditos de modo a reduzir a mensalidade. Ainda assim, no entanto, os descontos mensais permaneceram acima dos 30%.

Em sede de recurso, o desembargador Romeu Gonzaga Neiva concordou com a visão do juiz de primeira instância e manteve a decisão. Segundo ele, o investimento em Bitcoin e o volume de transferências da conta indicariam que o autor poderia pagar pelos empréstimos.

As inúmeras transferências, de elevadas quantias, creditadas/debitadas da conta do autor, além de investimento em moeda virtual (Bitcoin), presume existir outra fonte de renda, capaz de assegurar a proteção da sua pessoa contra qualquer ato de cunho degradante e desumano, bem como lhe garantir as condições existenciais mínimas para uma vida saudável.

O julgamento ainda cabe recurso ao Superior Tribunal de Justiça. Vale ressaltar, no entanto, que já existe entendimento do STJ afirmando a possibilidade de débito em conta acima de 30%. Em julgamento em 2017, a 4ª Turma definiu que o limite valeria apenas para empréstimos consignados.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá