Banco Central pode ser obrigado a imprimir de novo todas as notas de R$ 200

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Defensoria do DF pede que Banco Central imprima nota de R$ 200 novamente

  • Problema estaria no tamanho da nova cédula, que é igual à de R$ 20

  • Associações de cegos dizem que dimensões causam confusão

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

As notas de R$ 200 mal começaram a circular no Brasil e já podem ser retiradas de circulação. A Defensoria Pública do Distrito Federal encaminhou um ofício ao Banco Central pedindo esclarecimentos sobre o tamanho da cédula.



Segundo a Defensoria, a nota de R$ 200 foi confeccionada sem obedecer a legislação que garante acessibilidade a pessoas cegas. O problema está principalmente nos dimensões da nova cédula. A nota de R$ 200 tem o mesmo tamanho da de R$ 20.

A semelhança entre as notas causaria confusão entre os cerca de 7 milhões de pessoas cegas no Brasil. A Recomendação n.º 13/2020 do Núcleo de Direitos Humanos da Defensoria do DF foi enviada ao BC em 10 de setembro. O documento foi divulgado nesta terça-feira (22) pelo portal Metrópoles.



Essas notas violam o direito fundamental à informação acessível. Não houve diferenciação entre o tamanho dessas cédulas e as de R$ 20. É um retrocesso na garantia de direitos constitucionais das pessoas com deficiência, especialmente as pessoas cegas.

Logo após o início da circulação da nota de R$ 200, associações de cegos vieram a público se queixar da falta de adequação da cédula. Beto Pereira, presidente da Organização Nacional de Cegos do Brasil (ONCB), disse ao G1 que:

As notas com tamanhos diferentes, seguindo padrões como do euro e da libra esterlina, surgiram depois de mobilização de pessoas cegas e de baixa visão. Não foi de uma hora para outra nem por bondade.

Como comprar Bitcoin e entrar no grupo de sinais gratuito do BeInCrypto 

Banco Central alega falta de maquinário para imprimir nota de R$ 200

Para corrigir o problema, portanto, seria necessário emitir as notas em um novo tamanho. No entanto, o Banco Central afirma que não havia tempo hábil para adaptar o parque fabril para produzir um papel maior que a nota de R$ 100.

Carolina de Assis Barros, diretora de Administração do Banco Central, explicou porque a nova nota tem o mesmo tamanho da de R$ 20.

Por ser uma alta denominação, escolhemos um conjunto de elementos de segurança bem robusto, sendo que um desses elementos é típico da máquina que produz os R$ 20.

Defensoria pede reimpressão e readequação do parque fabril

Dessa maneira, a Defensoria não só recomenda que as notas sejam reimpressas. Além disso, o pedido envolve a readequação do parque fabril para que se possa produzir uma nota de tamanho adequado.

A adoção das providências necessárias para que seja conferida acessibilidade às pessoas com deficiência visual nas novas cédulas de R$ 200,00 (duzentos) reais, inclusive com a adequação do parque fabril para a confecção de notas em tamanho diferenciado, em atenção à legislação referente à pessoa com deficiência.

Os 10 dias dados pela Defensoria para manifestação do Banco Central terminaram no último domingo (20).

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá