Banco Central “Vigia” Depósitos de R$ 2 Mil. Bitcoin Será o Próximo?

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Regra para mercado de criptomoedas é quinze vezes maior que nova proposta para transações com dinheiro.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Não é segredo para ninguém que o Banco Central “vigia” grandes transações envolvendo dinheiro no Brasil. Em 2019, nem mesmo o Bitcoin ficou a salvo dessa vigilância. Os dados enviados ao BC por bancos permitem o combate à lavagem de dinheiro, por exemplo.



Já faz algum tempo que essa medida funciona em todo o país. Ou seja, transações em dinheiro acima de R$ 10 mil são informadas ao BC por qualquer banco que opere por aqui. Pelo menos essa era a regra, até então.

Com a modificação proposta recentemente, o valor de dez mil reais cai para apenas R$ 2 mil. Dessa forma, os bancos vão repassar dados sobre transações acima deste novo valor.



A medida deve ainda afetar o Bitcoin e as transações envolvendo criptomoedas no geral. Por mais que as moedas digitais não foram incluídas na atualização do Banco Central, alguma instrução sobre o mercado de criptomoedas ainda pode ser publicada.

Banco Central aumenta vigilância

O combate da lavagem de dinheiro conta com informações importantes fornecidas pelos bancos. Transações acima de R$ 10 mil são comunicadas ao Banco Central que fiscaliza algum tipo de anormalidade envolvendo esses dados.

Todos os meses o órgão recebe informações sobre os brasileiros e suas atividades financeiras. Até a nova regra entrar em vigor, esse valor correspondia a cerca de dez salários mínimos.

Com a mudança, quem movimentar mais de dois salários mínimos já terá dados informados ao Banco Central. Isso permitirá também que o combate  crime de ocultação de bens..

Em nota publicada pelo Banco Central, o órgão explica que a mudança visa o combate ao “terrorismo”. As denúncias sobre movimentações de dinheiro suspeitas continuam sendo enviadas ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

“Os aprimoramentos na regulamentação buscam dar maior eficiência e efetividade aos procedimentos adotados na prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo”

Mudança começa a partir de julho de 2020

O mercado financeiro recebeu a nova regra na última sexta-feira (24). A publicação cita que em breve a mudança valerá para todas as instituições bancárias.

Além do valor das transações, o CPF do usuário é também informado pelos bancos, conforme mostra o texto publicado sobre a nova regra.

E a medida entrará em vigor ainda em 2020, alguns meses após a publicação no Diário Oficial da União (DOU). Conforme mostra a o comunicado, será a partir de julho que os bancos devem estar preparado para a mudança.

Como o Bitcoin será afetado?

A Circular n° 3.798 não fez menção ao Bitcoin e as operações envolvendo as criptomoedas. Porém, tudo indica que esse mercado também deve receber algum tipo de instrução.

Desde o dia 1º de agosto de 2019 as transações envolvendo criptomoedas são declaradas a Receita Federal. O órgão recebe mensalmente dados sobre milhares de investidores de moedas digitais.

Essas informações devem ser repassadas pelos próprios investidores e até por empresas que compram e vendem criptomoedas, como as exchanges.

A Instrução Normativa 1.888 é a responsável por definir essa mudança para o mercado de criptomoedas. Contudo, somente movimentações acima de R$ 30 mil são repassadas a Receita Federal.

Esse limite para o Bitcoin é, atualmente, quinze vezes maior que a atualização do Banco Central para informar transações com dinheiro. Com a mudança, o Bitcoin pode ser o próximo.

Você acha que a mudança do Banco Central pode afetar o Bitcoin? Comente este artigo e compartilhe com os amigos no Facebook.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Lucas é formado em administração com foco em empresas. Iniciou sua carreira como analista de investimentos para bancos focados no segmento. Após adquirir experiência, em 2015 fundou sua própria startup, focada em gerar tecnologias de segurança para transações financeiras. Concomitantemente, desenvolve seu trabalho e conhecimento financeiro atuando no BeInCrypto, através de análises do setor financeiro de criptomoedas e novas avaliações de novas tecnologias Blockchain pelo mundo.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá