Bitcoin alcança índice antes visto só na iminência da disparada para 69.000 reais

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Atividade na rede é a maior desde época da subida repentina do Bitcoin

  • Métrica coincide com grandes transações de baleias

  • Entenda o que pode significar para o preço do BTC

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O Bitcoin pode estar próximo de mais uma escalada de preços a nível mundial. Uma análise recente mostra que a criptomoeda alcançou um importante índice só antes visto nas semanas que antecederam o histórico bull run que levou ao pico de 2017.

Patrocinados



Patrocinados

O feito tem a ver com a movimentação da moeda no mercado. O Bitcoin alcançou recentemente um alto índice na métrica que indica alta circulação do ativo entre diferentes pessoas e instituições.

O Bitcoin está próximo a níveis de 2017 ao considerar a métrica de endereços ativos. Segundo o perfil Crypto Rand (@crypto_rand), usando dados do Glassnode, o Bitcoin chegou à média de móvel de 30 dias de 900.000 endereços ativos.

Patrocinados



Patrocinados

A métrica mede o número de endereços exclusivos que estiveram ativos na rede como remetente ou destinatário em um determinado período. Nesse caso, trata-se da média móvel dos últimos 30 dias. Somente endereços ativos em transações bem-sucedidas são contados.

A medida atual é a maior desde dezembro de 2017, logo antes da subida repentina de preço para US$ 20.000. Na época, o BTC era cotado no Brasil a R$ 69.000. No entanto, o valor seria muito maior no câmbio de hoje. Uma volta a esse patamar atualmente faria o Bitcoin subir a R$ 107 mil no Brasil.

Participe da nossa Comunidade de Trading no Telegram para acessar sinais exclusivos de negociação, conteúdo educacional, discussões e análises de projetos!

Métrica não necessariamente indica novo bull run

De fato, os endereços de Bitcoin estão apresentado maior movimento. Apenas entre quarta-feira (24) e quinta-feira (25), mais de R$ 1 bilhão foram movidos de carteiras desconhecidas para a custódia de exchanges. A maioria foi para a Binance.

No entanto, embora o movimento indique aumento no nível de atividade na rede, parece estar mais ligado a novos dumps.

Há dois dias houve também o maior fluxo de Bitcoin de mineradores a exchanges em mais de um ano. Segundo a Glassnode, o movimento se deu principalmente por transferências massivas para a Bitfinex totalizando 2.650 BTC, ou US$ 24,2 milhões.

Além disso, é preciso levar em conta a entrada de novos investidores no mercado. No prazo de três anos desde o pico de preço do BTC, é esperado que haja mais interessados em Bitcoin. Como consequência, é maior a chance de haver mais endereços ativos.

Queda de preço do Bitcoin

Mesmo com o aumento de endereços ativos, o Bitcoin vem caindo de preço. O fluxo de criptomoeda para as corretoras parece ter sido liquidado, depreciando o BTC. Em quatro dias, a moeda caiu de quase US$ 9.700 para menos de US$ 9.200 atualmente.

Por outro lado, pelo menos o suporte de US$ 9.000 não foi quebrado. O Bitcoin chegou a ser negociado por US$ 9.009 ontem (25). No entanto, logo as posições foram compradas e o preço voltou a subir. Mas, nada que chegue perto a uma nova corrida de preços – ao menos não por enquanto.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Sou editor-chefe do BeInCrypto Brazil desde abril de 2021.

SEGUIR O AUTOR

Previsões de cripto com o Melhor Canal de Sinais com +70% de acertos!

Entre Agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora