Bitcoin (BTC) sobe após criar padrão otimista; RUNE, MATIC e AXS disparam

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Bitcoin voltou a recuperar nível acima de US$ 30.000 nesta quarta-feira (21).

  • Maioria das criptomoedas opera no verde, com destaque para RUNE, MATIC, QNT e AXS.

  • Veja o que esperar a partir de agora.

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O Bitcoin (BTC) voltou a subir na madrugada desta quarta-feira (21) após criar um padrão de alta na sequência da queda que o levou de volta a US$ 29.200.

Patrocinados



Patrocinados

Apesar do recuo na terça-feira (20), o BTC já anula as perdas e opera no verde um dia depois. Tudo aconteceu em pouco mais de 24 horas: de US$ 30.900 às 22h de segunda, a criptomoeda mergulhou para US$ 29.200 e, à meia-noite de hoje, já voltava ao mesmo patamar de antes.

No fechamento da matéria, o BTC era negociado a US$ 30.872, alta de 3,6% no dia. Os números semanais, no entanto, permanecem no vermelho: até o momento, o preço cai 5,5% quando levada em conta a cotação da semana passada.

Patrocinados



Patrocinados

RUNE, MATIC e AXS disparam

Como de costume, a recuperação do BTC, mesmo que modesta, ajuda a impulsionar o preço de outras criptomoedas. Com isso, a capitalização total do mercado de criptomoedas volta ao nível de US$ 1,3 trilhão, depois de cair para uma mínima de cinco meses de US$ 1,24 trilhão ontem.

As que mais sobem no momento são THORChain (RUNE) e Polygon (MATIC), que disparam cerca de 28%, além de Quant (QNT) e Axie Infinity (AXS), que saltam quase 20%. DASH, COMP, XEM, SOL e FTT também se destacam com ganhos de 13% a 17% no dia.

Já o LEO Token (LEO), que se destacou positivamente ontem, é o que mais cai por ora, com recuo de 5,7% no dia. Por outro lado, devido ao rali recente, a criptomoeda ainda acumula ganho de 3,2% na semana.

O que esperar do Bitcoin agora

Para a casa de análise CryptoQuant, já é possível dizer que o mercado de alta (bull market) permanece, e que, apesar de não ser possível afirmar que o fundo foi definitivamente alcançado, ele estaria próximo.

O motivo seria o comportamento do indicador Valor de Mercado por Valor Realizado (MVRV), que já vinha apontando otimismo para o ciclo de alta atual.

Segundo a CryptoQuant, a faixa atual, cerca de US$ 30.000 atinge o mesmo nível de recomendação de compra desde setembro de 2020. Algo parecido, ressalta a casa de análise, ocorreu no ciclo passado, mais especificamente entre janeiro a março de 2017.

Casa de análise CryptoQuant diz que preço de US$ 30.000 atinge nível de compra assim como no começo de 2017

Já para o analista de criptomoedas Valdrin Tahiri, o movimento recente do Bitcoin foi similar ao de 22 de junho e configurou um fundo duplo, quando o preço atinge por duas ocasiões a mesma zona de suporte – algo visto como um padrão otimista.

Por outro lado, os indicadores técnicos ainda estão em terreno negativo em múltiplos intervalos de tempo e existe uma resistência em US$ 31.300. Para Tahiri, se o BTC conseguir superar este preço deverá seguir em frente até a zona perto de US$ 36.000.

Contagem de ondas sugere que alta mais forte estaria pela frente.

Já a ferramenta de contagem de ondas indica que o BTC ainda estaria em um movimento de correção, e que deve subir com mais força quando ela terminar.

Nesse sentido, os alvos mais prováveis ​​para o topo da onda atual são encontrados em US$ 37.278 e US$ 42.181. Mas, é preciso ficar atento: uma nova queda abaixo de US$ 29.279 invalidaria esta contagem de ondas.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Sou editor-chefe do BeInCrypto Brazil desde abril de 2021.

SEGUIR O AUTOR

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora