Bitcoin corre risco enquanto preço não passar de US$ 40.000, diz JP Morgan

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Bitcoin ainda não conseguiu superar a marca de US$ 40.000.

  • Nível é fundamental para determinar futuro da criptomoeda no curto prazo.

  • Apetite da Grayscale é essencial para conta fechar, indica estrategista do JP Morgan.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Preço do Bitcoin voltou para US$ 35.000 antes de subir, mas superar os US$ 40.000 é essencial para evitar nova baixa, indica JP Morgan.



A direção do preço do Bitcoin é incerta no momento. Para estrategistas do JP Morgan, a criptomoeda ainda corre risco de cair enquanto não conseguir superar a barreira dos US$ 40.000.

Em novo relatório a investidores divulgado na última sexta-feira (15), o estrategista Nikolaos Panigirtzoglou explica que o Bitcoin pode sofrer baixa se não superar esse patamar. Para o funcionário do famoso banco de investimentos, superar os US$ 40.000 é essencial para manter investidores no barco do Bitcoin.



Para Panigirtzoglou, alguns investidores de curto prazo podem ficar insatisfeitos e vender seus bitcoins caso o preço não supere esse nível. Desse modo, o movimento poderia causar uma reação em cadeia e impactar no preço do ativo.

Esperança recai sobre apetite da Grayscale na compra de Bitcoin

A chave para entender se será possível superar os US$ 40.000 estaria no comportamento da Grayscale. Segundo o estrategista do JP Morgan, o Bitcoin só poderá aumentar de preço se a maior gestora de fundos de criptomoedas mantiver um alto ritmo diário de compras.

O fluxo para o Bitcoin Trust na Grayscale provavelmente precisaria sustentar seu ritmo de US$ 100 milhões por dia nos próximos dias e semanas para que esse rompimento ocorra.

No último sábado (16), a Grayscale deu esperanças de que a tendência de alta pode continuar. A empresa anunciou a entrada de mais US$ 700 milhões nos seus fundos de criptomoedas, um recorde para a gestora.

Segundo a Grayscale, 93% dos aportes teriam sido provenientes de investidores institucionais. Apenas o Bitcoin Trust já soma 610.000 BTC, avaliados em cerca de US$ 22 bilhões. Assim, o CEO da companhia, Michael Sonnenshein, garante que ainda há uma grande busca por compra de criptomoedas em 2021.

Ontem, a Grayscale arrecadou mais de US$ 700 milhões em sua família de produtos … o impulso do quarto trimestre parece estar ganhando velocidade no ano novo.

O Bitcoin voltou a cair para US$ 35.000 nesta segunda-feira (18). No entanto, logo subiu e voltou a passar de US$ 37.000, segundo dados do Coingecko. Para o analista do BeInCrypto, Valdrin Tahiri, o novo suporte acima de US$ 35.000 é um bom sinal, mas ainda não é possível prever se a tendência é de alta ou de baixa no curto prazo.

Preço no longo prazo pode passar de US$ 200 mil, diz analista

O movimento de curto prazo deixa traders em dúvida, mas o mesmo não ocorre no longo prazo. Segundo o analista Willy Woo, apesar da flutuação recente, o Bitcoin caminha para atingir um alvo ousado em breve.

Segundo ele, o modelo Top Cap para a criptomoeda aponta que os US$ 100 mil são “modestos demais”. O mais provável, desse modo, seria que o preço alcançasse US$ 200 mil.

Uh Oh, metas de preço de US$ 100.000 são muito baixas. Movimento curvado para cima detectado no modelo Top Cap. Agora a caminho de um mínimo de US$ 200K.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá