Bitwise lança primeiro fundo cripto do mundo com UNI, AAVE, YFI e mais moedas DeFi

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Fundo da Bitwise acompanha índice que segue preço de cesta de moedas DeFi.

  • AAVE, UNI, YFI e outras fazem parte da seleção.

  • Produto pode dar proteção para iniciantes no mundo das finanças descentralizadas.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Empresa lança fundo que segue índice de cesta de criptomoedas DeFi como AAVE, UNI e outras.



A Bitwise anunciou na manhã desta quarta-feira (17) o lançamento do Bitwise DeFi Crypto Index Fund, o primeiro fundo de criptomoedas do mundo focado no mercado de finanças descentralizadas (DeFi). A empresa, portanto, passa na frente da Grayscale, que já chegou a registrar fundos do tipo, mas não chegou a lançá-los de fato.

Os protocolos DeFi buscam eliminar intermediários em operações financeiras como, por exemplo, empréstimos. No lugar de bancos, entram sistemas que ligam diretamente as pessoas que emprestam e as que tomam o empréstimo – tudo com criptomoedas.



Além disso, esse tipo de projeto envolve as exchanges descentralizadas (DEX), em que usuários negociam entre si em pools de moedas. As DEXes mais proeminentes são a Uniswap e a Curve Finance, que, juntas, concentram US$ 8,4 bilhões em criptomoedas.

A inovação fez surgir uma nova leva de criptomoedas relacionadas a esses protocolos. Com isso, dessa maneira, o setor também viu retornos estratosféricos, comumente na casa dos 1.000% em dias.

O setor DeFi estourou em 2020 e chegou a recuar, mas já chega a US$ 40 bilhões depositados em diversos projetos, segundo o portal DeFi Pulse. Em comunicado, a Bitwise explica que os protocolos DeFi são “a história de 2021”.

O crescimento e a atividade do mercado são incríveis. Hoje, existem locais de negociação descentralizados que lidam com mais de US$ 30 bilhões em volume por mês. Programas de empréstimos automatizados que fazem empréstimos individuais de até US$ 200 milhões. E o valor total estimado dos fundos atualmente bloqueados em contratos relacionados ao DeFi recentemente ultrapassou US$ 40 bilhões.

Matt Hougan, chefe de investimentos da Bitwise

Quais criptomoedas compõem o fundo DeFi da Bitwise

Um fundo de índice é visto pelo mercado como um meio mais protegido para atrair iniciantes para o mundo das finanças descentralizadas. Por meio de uma cesta diversificada, o fundo poderia, em tese, proteger investidores de golpes muito comuns no setor.

O produto da Bitwise, por exemplo, é um fundo passivo disponível apenas para investidores qualificados nos EUA. Ele segue o índice Bitwise Decentralized Finance Crypto Index. O índice, então, reflete o preço de uma variada carteira de criptomoedas DeFi.

Entre elas estão tokens DeFi reconhecidos pelo mercado, como UNI, AAVE, SNX e MKR. Além disso, está a YFI, token que chegou a passar dos US$ 50 mil antes do Bitcoin. Veja, a seguir, os tokens que compõem o índice da Bitwise no lançamento do fundo.

AtivoTickerCategoriaPeso
UniswapUNIExchange25.14%
AaveAAVEEmpréstimo23.37%
SynthetixSNXDerivatives11.80%
MakerMKREmpréstimo10.67%
CompoundCOMPEmpréstimo8.73%
UMAUMADerivativos6.16%
Yearn.FinanceYFIGestora de ativos5.47%
0xZRXExchange5.07%
LoopringLRCExchange3.60%

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá