Blockchain auxiliando a reciclagem

Compartilhar Artigo
A Ambev firmou parceria com startup para a coleta de lixo reciclável em Brasília usando a tecnologia blockchain.

Segundo Rodrigo Oliveira, presidente da Grenn Mining, a tecnologia permite a rastreabilidade de todas as embalagens coletadas nos centros urbanos com segurança por meio de Blockchain. “Coletores, HUBs, transportadores e usinas de reciclagem validam as quantidades uns dos outros, não permitindo que os números de material reciclado sejam criados ou falsificados.”



A parceria faz parte do programa 100+Accelerator, que selecionou 21 startups ao redor do mundo, em 2018, para abordar questões urgentes de sustentabilidade. O foco do projeto são garrafas de vidro descartadas por bares da capital federal. Por meio do acordo entre a maior fabricante de cervejas do mundo, Ambev, e a startup Grenn Mining, todo material coletado será registrado em blockchain, o que permitirá identificar os locais de maior geração de resíduos.

Ainda de acordo com Rodrigo Oliveira, a empresa já teria coletado mais de 300 toneladas de vidros reciclados e mais de 50 toneladas de CO2 evitados desde o início do projeto. “O desafio lançado pela Ambev de buscar soluções para problemas da indústria, por meio de startups, para fechar o ciclo da economia circular em embalagens, foi uma ótima oportunidade.”

A Grenn Mining é parceira da “Friends of Glass”, organização europeia de sustentabilidade para reaproveitamento do vidro produzido, com Hubs já implementados em São Paulo e agora em Brasília, com promessa para expansão para 20 cidades do Brasil. O vidro coletado é 100% reaproveitável e um dos materiais que mais demoram a se decompor na natureza.

O que você acha dessa notícia? Deixe sua opinião nos comentários.

Imagens cortesia de Shutterstock, Twitter

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Vini se formou em geologia pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil e trabalhou com gerenciamento de projetos na área de exploração mineral em empresas como BHP Billiton e Vale. Ele se envolveu com o bitcoin em 2011, quando comprou suas primeiras moedas através do jogo online “Second Life”, mas usou a maioria de suas primeiras moedas aprendendo a fazer transações e negociar. Depois disso, ele se tornou um entusiasta da tecnologia blockchain e desde então focou sua carreira para esse campo. Recentemente, ele se dedica à programação frequentando o Le Wagon Coding Bootcamp e Ivan On Tech Academy.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá