Blockchain testada no Brasil que mostra se produto agrícola veio de exploração ilegal

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • BlockApps lançou sistema em blockchain capaz de rastrear da semeadura à venda de um produto agrícola

  • Tecnologia permite saber se produto teve origem adequada ou se vem de exploração ilegal

  • Bayer testa sistema no Brasil há dois anos

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Uma plataforma baseada em Ethereum testada no Brasil permite saber a origem de qualquer produto vindo do campo. Segundo a empresa BlockApps, que apresentou a novidade na quarta-feira (18), a blockchain pode revolucionar a agricultura.



O lançamento é a TraceHarvest Network, que usa blockchain para rastrear e monitorar a cadeia produtiva de produtos agrícolas. Segundo os criadores, o sistema é capaz de acompanhar todos os passos da produção, das sementes ao plantio e a venda no mercado.

A otimização da cadeia produtiva é vista como essencial para reduzir custos, identificar gargalos na produção. Para sementes, por exemplo, o sistema permite visualizar a administração desde onde são vendidas, intercambiadas, plantadas, colhidas e processadas.



Além disso, o acompanhamento de todas as etapas na blockchain facilita o consumo consciente. Isso porque fica mais fácil conhecer a origem do produto. Dessa maneira, é possível descobrir quando um insumo vem de exploração ilegal do meio ambiente ou de fazendas acusadas de trabalho escravo.

Kieren James-Lubin, CEO da BlockApps, explica que a TraceHarvest é escalável. Em comunicado à imprensa, ele conta que é possível adicionar mais processos, casos de uso e integrações de tecnologia na rede.

Por exemplo, os membros da rede serão capazes de colaborar com produtores de alimentos na base para estender o rastreamento de produtos agrícolas na cadeia de valor e, finalmente, verificar as alegações feitas sobre seus ingredientes e práticas de sustentabilidade.

Bayer testou blockchain agrícola no Brasil

A solução foi desenvolvida em parceria com a Bayer. A empresa já testa a blockchain nos EUA e no Brasil há dois anos. Segundo Michael Pareles, executivo da empresa, o lançamento também abre caminho para novos modelos de negócios.

A plataforma TraceHarvest permitirá que nossos parceiros de negócios tradicionais e não tradicionais em toda a cadeia de valor de alimentos explorem novos produtos, serviços e modelos de negócios. Confiar na administração dos produtos agrícolas é essencial para navegar no complexo ecossistema da agricultura moderna.

A iniciativa, porém, não é única em curso no país. A Embrapa oficializou recentemente um acordo de cooperação para o desenvolvimento de uma blockchain para monitoramento de safra.

Nesse caso, a parceria é a com a Safe Trace, especializada no setor blockchain. Ao menos inicialmente, a tecnologia será voltada para a cadeia de produção da cana-de-açúcar.

Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá