Blockchain vem para ‘dar luz’ ao pequeno produtor e garantir segurança alimentar

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Blockchain pode ser a resposta ideal para garantir segurança alimentar

  • Tecnologia é defendida pelo secretário de Agricultura de SP

  • Pandemia tornou as pessoas mais preocupadas com a boa procedência dos alimentos

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

A pandemia do coronavírus mudou os hábitos das pessoas, inclusive na hora de se alimentar. Para especialistas, a tecnologia blockchain pode ser uma solução que vem para ‘dar luz’ ao setor.



O blockchain foi tema do programa ‘Caminhos do Agro SP’, promovido pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

O debate que aconteceu nesta quarta-feira (18), discutiu qual seria o modo mais eficiente de garantir às pessoas a segurança e boa procedência dos alimentos comprados no mercado.



A resposta unânime foi a tecnologia blockchain, defendida inclusive pelo secretário de Agricultura de SP, Gustavo Junqueira.

Ele considera que a pandemia do Covid-19 tornou a população mais consciente sobre os alimentos que consomem no dia a dia. Dessa forma, as pessoas buscam transparência e mais confiabilidade na cadeia alimentar

“Levar novos processos ao campo como o blockchain, atende essas novas demandas. Saber quando uma fruta foi colhida, por exemplo, dará a segurança na hora da compra de alimentos. Essas mudanças exigem um esforço dinâmico, mas podem ser feitas.”

Transparência do campo até a mesa

Para explicar os benefícios que a tecnologia que surgiu com as criptomoedas pode trazer ao setor, o programa reuniu pessoas do setor empresarial e especialistas da tecnologia blockchain.

Uma delas foi a líder de Inovação da Blockchain Academy, Maria Teresa Aarão. Ela explica que com o blockchain, o produtor controla todo o ciclo de vida de seu produto.

E o mais importante, deixar isso transparente aos consumidores de uma maneira simples. 

Para exemplificar isso, ela cita a possibilidade de inserir um QR-Code nos rótulos dos produtos. Posteriormente, o consumidor poderia ter acesso direto do celular a toda a cadeia daquele alimento que está comprando.

“O blockchain é uma grande esperança de otimização nesta certificação de origem. Dá reputação também para quem é menor, mas investiu em qualidade no seu processo. Vai trazer muito mais velocidade de informação ao consumidor.”

Blockchain como grande aliado do produtor

De acordo com Carolina Sevciuc, diretora de Transformação Digital da Nestlé Brasil,  o blockchain vem para “dar luz” ao pequeno produtor. 

“O consumidor está pulsando por transparência e esse é o diálogo necessário que vai do campo até a mesa. Está claro que a tecnologia é essencial.”

Além disso, o blockchain nesse setor não beneficia apenas os consumidores. Certamente também ajuda pequenos produtores a crescer e competir de frente com outras marcas. Conforme a visão do presidente da Associação Paulista de Supermercados (APAS), Ronaldo dos Santos.

“A tecnologia do blockchain pode acelerar para que novas marcas ganhem a confiança do consumidor. Por outro lado, as marcas já reconhecidas do mercado talvez tenham que se reinventar, pois a cada dia as pessoas estão mais seletivas.”

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Saori Honorato é jornalista e para o BeInCrypto escreve sobre os principais acontecimentos do universo das criptomoedas.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá