Brasil e China Devem Lançar sua Própria Criptomoeda Através do BRICS

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Países planejam criar moeda digital para ampliar cooperação financeira entre o grupo.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O Brasil e a China vão criar sua própria criptomoeda através do BRICS. Fazem parte do grupo ainda a Rússia, a Índia e a África do Sul. Dessa forma, os cinco países estão envolvidos no projeto que busca ampliar a relação financeira entre as nações que fazem parte do grupo.



O BRICS representa uma cooperação financeira com países considerados grandes potências mundiais. O papel do Brasil é estratégico e a criptomoeda do grupo foi anunciada após o recente encontro entre os líderes da organização em Brasília – DF.

Rússia, China e Brasil vão ter uma criptomoeda própria

As nações que fazem parte do BRICS devem lançar uma criptomoeda própria. O objetivo do projeto é criar uma forma de pagamento entre os países mais facilitada. Com a ascensão das criptomoedas como o Bitcoin, o grupo de países contará com um projeto voltado para o comércio exterior entre a organização.



O controle exercido pelo dólar norte-americano pode ser impactado com o lançamento de uma criptomoeda do BRICS. Além disso, outras tecnologias devem ser substituídas por projetos relacionados ao grupo de nações.

A Índia, a Rússia e a China procuram por uma alternativa ao SWIFT. Os três países que fazem parte do BRICS estudam uma forma de criar uma rede de pagamentos que possa substituir o famoso SWIFT.

Dólar norte-americano deixa de ser usado pelo comércio exterior

A relação comercial entre os países que fazem parte do BRICS mostra que o dólar norte-americano ainda é vigente na maioria das negociações. Dessa forma, uma criptomoeda única deve garantir um sistema de cooperação financeira entre os países do grupo.

A utilização do dólar norte-americano em grandes transações vem sendo deixada de lado pelos países que compõem o BRICS.

Segundo o CEO da Russian Direct Investment Fund (RDIF), a criptomoeda do BRICS será utilizada especificamente em pagamentos entre as nações que fazem parte da organização.

O especialista também falou sobre como o dólar norte-americano está deixando de ser usado pelo comércio exterior. O CEO comentou que a moeda fiduciária dos EUA perdeu um importante espaço desde 2014. Neste período, o comércio exterior registrou uma queda de 42% no uso do dólar norte-americano em transações.

Por outro lado, o projeto não deverá acompanhar a visão descentralizada de outras criptomoedas como o Bitcoin. Sendo assim, tudo indica que a criptomoeda do BRICS será controlada de forma centralizada pela organização.

Países do BRICS se encontram em Brasília – DF

Um importante encontro do BRICS aconteceu em Brasília – DF. Com representantes das nações que fazem parte do grupo, a 11º Cúpula do BRICS explorou o estreitamento de relações entre a organização.

O encontro permitiu um fortalecimento de cooperação entre a China, o Brasil, a Rússia, a Índia e a África do Sul. Um documento final chamado “Declaração de Brasília” apresentou soluções para um “crescimento econômico para um futuro inovador”.

Como resultado, a China anunciou que existe um empréstimo de US$ 100 bilhões a disposição do Brasil. O anúncio aproximou o país asiático do presidente Jair Bolsonaro, que comentou sobre a oferta de empréstimo oferecida pela China que também faz parte da organização.

Uma criptomoeda do grupo garantirá uma cooperação econômica entre as partes através da tecnologia blockchain. Contudo, ainda não existe uma data oficial para lançamento do projeto, onde o Brasil terá uma criptomoeda própria desenvolvida pelo BRICS.

O que você acha do Brasil ter uma criptomoeda própria com o BRICS? Comente sobre esta notícia e compartilhe no Facebook!

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Jornalista apaixonado pelo universo das criptomoedas e seu enorme impacto na sociedade. Conheceu o Bitcoin em 2013 sem saber que a criptomoeda tomaria conta de sua vida anos mais tarde. Já trabalhou em outros portais de notícias sobre criptomoedas, sendo que atualmente é um dos colaboradores do BeInCrypto.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá