Brasileiro que estuda medicina na Argentina diz que perdeu meio milhão na Atlas Quantum

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Estudante de medicina diz que perdeu meio milhão na Atlas Quantum.

  • Ele entrou com ação de indenização por danos materiais e morais.

  • Justiça deu ganho de causo ao estudante, mas não liberou a justiça gratuita.

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Um brasileiro que estuda medicina na Argentina moveu uma ação de indenização por danos materiais e morais contra a Atlas Quantum.

Patrocinados



Patrocinados

No processo, que corre na Justiça de São Paulo, ele disse que perdeu R$ 550 mil na empresa.

Dentro da ação, o futuro médico alegou que investiu na Atlas no final do ano passado. A partir de setembro de 2019, no entanto, ele disse que não conseguiu mais realizar saques. Foi naquele mês que a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) proibiu a empresa de ofertar contratos de investimento coletivo.

Patrocinados



Patrocinados

Além do estudante de medicina, centenas de outras pessoas também entraram com ações contra a empresa na Justiça de São Paulo. Um deles é o ex-funcionário da Atlas que perdeu tudo após investir o salário em Bitcoin.

Justiça determinou devolução do dinheiro investido na Atlas Quantum

A Justiça de São Paulo deu ganho de causa para o estudante. A indenização por danos morais, no entanto, foi negada.

“Julgo procedente a ação de obrigação de fazer com indenização por dano moral e pedido de tutela de urgência para confirmar a liminar e condenar os réus, solidariamente, a restituir ao autor a importância de R$ 557.484,67 (quinhentos e cinquenta e sete mil e quatrocentos e oitenta e quatro reais e sessenta e sete centavos)”, determinou o juiz Vitor Frederico Kümpel.

Futuro médico pede Justiça gratuita, mas magistrado nega

Apesar da decisão positiva, o futuro médico apresentou pedido de justiça gratuita. A solicitação, no entanto, foi negada. De acordo com o juiz, o fato de o estudante ter investido meio milhão em criptomoedas é uma indicação de que ele tem bens.

Além disso, segundo o juiz, o investidor teria recentemente comprado terras em Nova Prata, no Rio Grande do Sul. O valor do terreno teria sido adquirido por R$ 100 mil com recursos próprios, ainda conforme as palavras do magistrado.

A solicitação feita pelo investidor, portanto, “contraria o pedido de gratuidade, concedido àqueles que realmente dela necessitam”, finalizou Frederico Kümpel.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Jornalista desde 2010. Já colaborei para diversos veículos, como Gazeta do Povo, Agência Estadual de Notícias (AEN) e Paraná Portal. Escrevo regularmente para o UOL e para outros portais especializados em criptoeconomia. Tive meu primeiro contato com o mercado de criptomoedas em meados de 2019, quando comecei a cobrir casos de golpes financeiros. No BeInCrypto, produzo e edito textos.

SEGUIR O AUTOR

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora