Cartões de criptomoedas: como comprar com Bitcoin

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Cartões de criptomoedas ganham terreno em meio à alta do Bitcoin.

  • Fintechs já oferecem esse tipo de solução no Brasil.

  • Cartão cripto é voltado para quem quer manter o máximo possível em cripto para aproveitar valorização.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Cartões do tipo permitem converter Bitcoin e outras moedas para gastar em compras do dia a dia e manter o máximo das economias em cripto.



Comprar com Bitcoin não é mais um sonho. Afinal, cartões de criptomoedas estão ganhando terreno no mercado brasileiro. A proposta é permitir que o usuário converta em moeda fiduciária apenas o que precisar no dia a dia, mantendo o máximo de suas posses em cripto para aproveitar o momento de alta.

Com a subida do Bitcoin, a adoção de criptoativos vem crescendo no país a ponto de chegar a quase 30 mil bitcoins negociados todos os dias na média de 2020. Só em fevereiro, o volume subiu 900% em relação ao ano passado.



Exchanges como a Binance já oferecem cartões que convertem o saldo em criptomoedas na hora para fazer pagamentos. No entanto, residentes no Brasil ainda não têm acesso à maioria dessas soluções.

De olho na crescente demanda, startups nacionais já oferecem boas opções para você comprar com Bitcoin. Confira 5 cartões de criptomoeda disponíveis no Brasil.

Alter

A fintech Alter oferece cartão Visa pré-pago aliado a uma conta digital que permite manter saldos em reais e Bitcoin. O dinheiro comum pode ser depositado via TED, DOC ou Pix, enquanto o BTC deve ser transferido para uma carteira atrelada ao cartão.

O Bitcoin não é convertido na hora e, portanto, pode continuar valorizando normalmente após a transferência. O usuário, dessa maneira, deve selecionar a quantia que deseja converter manualmente pelo aplicativo antes de comprar com o cartão.

Além disso, uma vantagem do Alter é o Criptoback, um sistema de cashback que devolve até 1% do valor das compras acima de R$ 10 em Bitcoin. Os valores são contabilizados compra a compra e liberados em 15 dias.

Leia mais sobre as melhores maneiras de ganhar dinheiro com Bitcoin clicando aqui.

Brasil Bitcoin

A exchange Brasil Bitcoin lançou em março de 2021 um cartão de débito para usuários de criptomoedas. A proposta da corretora é facilitar o uso do cartão no dia a dia: em vez de converter antes de usar, o cartão pode fazer a liquidação do Bitcoin automaticamente caso não haja saldo em reais.

Segundo a empresa, a ideia é expandir a funcionalidade para outras moedas, oferecendo uma conta digital multimoeda em que o consumidor pode escolher a ordem de conversão: se primeiro quer usar Bitcoin ou uma stablecoin, por exemplo, ao fim do saldo em reais. O cartão, no entanto, utiliza bandeira Elo, aceita em menos locais que Visa ou Mastercard.

Ras Bank

Um dos cartões de criptomoedas disponíveis no Brasil é da Ras Bank, fintech da holding RPX Capital. O diferencial da solução é a oferta da stablecoin Real Asset Service (RAS), que tem paridade de um para um com o real. A moeda, dessa maneira, permite transferências de baixo custo a qualquer hora do dia, uma espécie de Pix via blockchain.

Além disso, o usuário pode ter na conta reais e criptomoedas como Bitcoin, USDT, ETH e, mais recentemente, a criptomoeda de privacidade DASH. O cartão tem bandeira Mastercard e permite comprar via maquininha, inclusive por aproximação, além de sacar na rede Banco24Horas.

Segundo a empresa, o consumidor ainda recebe cashback por compras efetuadas com o cartão, a depender de onde o gasto foi feito. O dinheiro de volta, no entanto, não é em cripto.

Uzzo

A fintech Uzzo também oferece um cartão pré-pago compatível com criptomoedas. Do mesmo modo que outras soluções do mercado, o usuário pode enviar Bitcoin para um endereço atrelado a uma conta digital e utilizar o saldo para converter para reais na hora da compra. No entanto, o usuário precisa realizar a conversão manualmente antes de gastar com o cartão, utilizando a cotação do momento.

Além de compras na rede credenciada Elo, o cartão permite saques em caixas eletrônicos. Além disso, a conta digital oferece ao consumidor funções como pagamento de boletos, recarga de celular e transferências instantâneas de outras contas bancárias da mesma titularidade para a conta Uzzo.

Zro Bank

O Zro Bank é uma fintech que oferece conta digital operada via chat e cartão de débito internacional Visa que aceita reais e Bitcoin e, em breve, também será compatível com dólares e euros. O cliente deve converter, por meio do aplicativo, a quantia de BTC desejada em moeda fiduciária antes de gastar. A cada R$ 10 em compras com cartão físico ou virtual, o cliente recebe cashback de 0,5% em Bitcoin.

Usuários da conta digital têm ainda uma série de serviços gratuitos, como saques na rede Banco24Horas, pagamento e emissão de boletos, além de transferências via TED para qualquer conta bancária. Além disso, segundo a empresa, em breve clientes poderão fazer remessas ao exterior via SWIFT e obter conta internacional em dólares.

Se você quiser saber mais sobre outras formas comprar com Bitcoin, dê uma olhada nos nossos artigos educacionais. Afinal, aqui você pode encontrar todas as informações de que precisa para começar!

Além disso, junte-se à nossa comunidade do Telegram para conversar com usuários reais sobre criptomoedas e trading.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá