Caso Ripple: investidores querem dinheiro de volta e suspensão da venda de XRP

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Investidora da Ripple acionou a Justiça dos EUA contra a empresa.

  • Companhia que liderou aporte de US$ 200 milhões na Ripple quer devolver as ações.

  • Liminar pede suspensão de venda de qualquer ativo da Ripple, incluindo venda de XRP.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Uma empresa que investiu na Ripple abriu um processo contra a empresa americana pedindo devolução de dinheiro.



A Tetragon, gestora britânica que liderou uma rodada de investimento de US$ 200 milhões na Ripple em 2019, quer devolver as ações que adquiriu como parte do negócio. Os investidores entraram com a ação na noite de segunda-feira (4), mas o caso só veio à tona na última terça-feira (5) em publicação da Bloomberg.

Segundo a firma de investimento, ela estaria exercendo um direito contratual que a permite devolver as ações adquiridas. A cláusula permitiria devolução caso autoridades dos EUA considerem a XRP um valor mobiliário.



Em ação com pedido de liminar ingressada junto à Justiça de Delaware, nos EUA, a Tetragon solicita que a Ripple compre de volta as ações. Além disso, a empresa pede que a Ripple não possa se desfazer de ativos líquidos. A petição pode resultar, portanto, na suspensão da venda de XRP, ao menos até que a Ripple efetue a eventual recompra de ações.

Ripple confirma cláusula, mas vai brigar na Justiça

Em nota divulgada na noite de terça-feira (5), a Ripple confirmou a existência da cláusula acionada pela Tetragon. O contrato firmado entre as partes em 2019, portanto, prevê a possibilidade de devolução das ações adquiridas pelos investidores.

A dona da XRP, no entanto, diz que o pedido não tem fundamento. O argumento é que, como o processo da SEC ainda está em andamento, a XRP, na prática, ainda não é um valor mobiliário.

No contrato de investimento da Série C da Ripple, há uma cláusula que se XRP for considerado um título em uma base de avanço, então a Tetragon tem a opção de ter Ripple resgatar seu patrimônio Ripple. Como não houve essa determinação, a ação não tem mérito. Estamos desapontados que a Tetragon esteja tentando tirar vantagem injustamente da falta de clareza regulatória aqui nos EUA. Os tribunais fornecerão essa clareza e estamos muito confiantes em nossa posição.

XRP desvalorizou 65% em 15 dias

A XRP passou por forte recuo desde que a a Ripple revelou que a SEC processaria a empresa. Após atingir US$ 0,63 em 17 de dezembro, a criptomoeda caiu 65% para US$ 0,22 cerca de 15 dias depois.

Segundo o órgão regulador americano equivalente à CVM, a XRP seria um valor mobiliário. A Ripple, dessa maneira, seria acusada de comercializar o ativo ilegalmente por vários anos. Segundo a SEC, os CEOs da empresa teriam embolsado o equivalente a R$ 3 bilhões nas operações supostamente fraudulentas.

Desde então, diversas exchanges suspenderam a comercialização da XRP. Já a Coinbase, maior corretora de criptomoedas dos EUA, é alvo de um processo da SEC por lucros obtidos de trades do ativo. Já investidores individuais da moeda brigam na Justiça e até pediram à Casa Branca para que interceda a favor da XRP.

Além disso, na terça-feira (5), a Grayscale anunciou o fim do fundo de XRP. Após despejar os ativos no mercado, a empresa destinou os valores para aumentar sua posição em Bitcoin, Ethereum, Litecoin e Bitcoin Cash.

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá