CEOs da Ripple teriam embolsado R$ 3 bilhões da venda de XRP, diz CVM dos EUA

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • SEC abriu processo contra Ripple na última terça-feira (22).

  • Documento revela que CEOs teriam recebido mais de R$ 5 bilhões por venda de XRP.

  • Autoridades podem considerar criptomoeda um valor mobiliário.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Mais de R$ 3 bilhões em vendas de XRP teriam ido parar nas mãos de Chris Larsen e Brad Garlinghouse, únicos CEOs da Ripple desde 2013.



Os dois únicos CEOs da Ripple teriam embolsado, ao longo dos anos, o equivalente a US$ 624 milhões, ou pouco mais de R$ 3 bilhões. Os números foram destacados em documento disponibilizado pela SEC, órgão americano equivalente à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segundo as autoridades, a Ripple levantou os valores em vendas sistemáticas de XRP de 2013 a 2020. Nesses sete anos, o montante ficou sob controle de Chris Larsen e Brad Garlinghouse, os fundadores e dois únicos CEOs da empresa nesse período.



No total, a empresa é acusada de levantar US$ 1,3 bilhão, ou R$ 6,68 bilhões, por meio da comercialização de XRP. Na visão dos reguladores americanos, a prática configuraria crime financeiro porque o ativo seria um valor mobiliário.

Processo da SEC contra a Ripple revela cerca de R$ 3 bilhões em comercialização de XRP desde 2013

Fim da XRP?

O processo aberto pela SEC contra a Ripple ameaça a XRP na visão de alguns analistas. Se os reguladores vencerem a batalha judicial contra a empresa, a XRP poderá nunca ser usada como moeda. Isso porque, caso o desfecho seja negativo para a Ripple, a criptomoeda se tornaria oficialmente um valor mobiliário.

Para as autoridades dos EUA, a situação da XRP é diferente daquela do Bitcoin e do Ethereum, que têm parecer favorável e não são considerados valores mobiliários. A questão gira em torno da ligação entre o ativo e a Ripple, que diz usar a XRP como moeda, mas detém boa parte de sua oferta e o utiliza para financiar suas operações.

Caso uma condenação de fato ocorra, especula-se que a Ripple seria obrigada a se desfazer da XRP por completo. O movimento, dessa forma, desencadearia uma venda em massa que, na prática, derreteria o preço da moeda.

Criptomoeda desaba 30% após anúncio de processo da SEC

A XRP começou a cair forte na terça-feira (22) após o CEO da Ripple, Brad Garlinghouse, revelar que a SEC planejava abrir um processo contra a empresa. Logo em seguida, o preço da moeda recuou quase 20%.

A notícia caiu como uma bomba no mundo das criptomoedas. De um lado, a empresa sofreu fortes críticas por criticar Bitcoin e Ethereum. De outro lado, a empresa recebeu apoio, por exemplo, de Ryan Selkis, fundador da Messari que há pouco havia chamado a XRP de “lixo”.

No final do dia, enfim a SEC confirmou a ação judicial contra a empresa, assim como Larsen e Garlinghouse. Desde então, o ativo só despenca, com leves correções no meio do caminho. Nas últimas 24 horas, segundo o Coingecko, a XRP acumula perdas na ordem de 30% após chegar próximo de US$ 0,30.

XRP chegou próximo de US$ 0,30 e acumula queda de 30% em 24 horas | Reprodução: Coingecko

Além disso, nesta manhã, a exchange OSL, com sede em Hong Kong, anunciou a interrupção das negociações da moeda.

Observação: à luz da ação da US Securities & Exchange Commission contra a Ripple Labs e 2 de seus executivos, suspendemos todos os serviços de pagamento e negociação da XRP na plataforma OSL, com efeito imediato e até novo aviso.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá