Conforme citado em um processo contra a Genbit e a Gensa, publicado hoje, dia 19/02/2020, no portal JusBrasil, um cliente acusa a empresa a obrigá-lo a aceitar um termo de aceite de troca dos bitcoins para TreepToken.

Um cliente da Gensa entrou com um processo de tutela de urgência pedindo o bloqueio dos bens e ativos da empresa.

Entenda a acusação

Segundo o autor do processo, ele adquiriu cinco cotas de 7.500 pontos na Gensa, totalizando um investimento de R$ 135 mil. De acordo com o contrato firmado, esse aporte inicial geraria um rendimento mensal de 15%, o contrato possuía prazo de 36 meses e dólar travado a R$ 3,50.

Portanto, o autor teria um retorno de R$ 729 mil no período de 3 anos. O autor alegou que os rendimentos fixos não foram pagos de acordo com a maneira pactuada e ao solicitar o resgate de valores ele não obteve retorno.

Após essa situação e devido à instabilidade do sistema da Gensa, a empresa entrou em contato com os clientes e os obrigou a aceitar um termo que modificou os bitcoins por TreepToken, ativos digitais criados pela Holding Tree Part.

O cliente disse que entendeu que o não aceite deste novo termo o prejudicaria, já que ele perderia seus investimentos. Ele ainda informa que a reputação da empresa é mito baixa e que há fortes indícios de fraude.

O que diz a Gensa

A Gensa contestou as acusações e se defendeu dizendo:

“a ré é uma Exchange, devidamente regulamentada e inscrita nos órgãos oficiais, praticando uma atividade legal; a relação havida entre o autor e a aquisição do plano de vantagem com a empresa Tree Part (parceira) não tem relação obrigacional com a Exchange Gensa, pois a última apenas cumpria a obrigação de converter reais em moeda digital e vice-versa, exclusivamente, sob o comando do autor (intermediadora).”

A empresa completa dizendo que o plano de vantagens contratado pelo cliente gera benefícios e pontos, pontos esses que podem ser trocados por serviços da rede credenciada, com aceitação no Brasil e no mundo. Esses pontos também podem ser convertidos em moedas virtuais. Portanto, não houve inadimplência por parte da Gensa, somente houve uma alteração da forma do acúmulo dos pontos e resgate.

O juiz responsável pelo caso deferiu o pedido de tutela de urgência e ordenou o bloqueio de R$ 135 mil das empresas citadas. Segundo ele:

“mudanças constantes no recebimento dos rendimentos, demonstram meras tentativas de confundir àquele que está em uma posição vulnerável.”

Faça parte da nossa página de criptomoedas no Twitter. Assim ficará por dentro das últimas notícias sobre criptomoedas e blockchain acontecendo no Brasil e no mundo.