Corinthians se Aproxima de Criptomoeda do Paris Saint Germain e Juventus

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Projeto “abraçado” por times europeus pode ser utilizado também por time alvinegro.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O time de futebol Corinthians se aproxima do projeto de criptomoeda utilizado pelos clubes Paris Saint Germain e Juventus. O grupo paulista pode estar próximo de adotar a Chiliz, que é uma criptomoeda amplamente utilizada por times europeus.



Times de futebol apostam em criptomoedas como forma de aproximar a torcida do grupo. Além disso, projetos deste tipo deve proporcionar um esquema de monetização que é capaz de trazer até investimentos para o clube por intermédio do financiamento coletivo entre torcedores.

Parceria com empresa do PSG e Juventus

O clube Corinthians tenta promover a criptomoeda do clube criada há oito meses atrás. Depois que a torcida do Gaviões da Fiel não demonstrou muito interesse pela TimãoCoin, uma parceria pode evidenciar o projeto lançado recentemente no mercado.



Segundo o site oficial do clube paulista, uma parceria está sendo discutida entre o Corinthians e a Chiliz. A empresa possui uma criptomoeda com o mesmo nome da organização que já é utilizada por grandes clubes de futebol na Europa.

Com a adoção do Corinthians, a Chiliz chegará ao Brasil conquistando um dos maiores times de futebol do país. A parceria impulsionará o projeto TimãoCoin, pouco lembrado pela torcida do Gaviões da Fiel.

A proposta é que a parceria promova uma visibilidade para o projeto do negócio. Com a novidade, o Corinthians se aproxima da criptomoeda por trás de grandes times como o Paris Saint German e Juventus, por exemplo. Além dos dois grupos mencionados, o projeto ainda atende o Atlético de Madri, na Espanha, e o Roma, da Itália.

Corinthians possui criptomoeda própria desde março

O Corinthians lançou sua própria criptomoeda no mercado em busca de atrair a torcida alvinegra. Faz pouco tempo que o clube anunciou a criação de uma criptomoeda própria. Em 2019 o projeto foi apresentado pelo clube, mas parece que a criação não teve tanto êxito perante os torcedores.

O TimãoCoin foi lançado no dia 15 de março de 2019. Desde então, o projeto não alcançou tanta visibilidade no mercado como o esperado. Sendo assim, o clube adotará mudanças no lançamento para que o TimãoCoin seja utilizado pelos torcedores.

Criptomoedas não prosperam no futebol brasileiro

Em 2018 o time Avaí foi o primeiro clube do Brasil a anunciar a criação de uma criptomoeda própria. Na ocasião, o grupo de jogadores promoveram até uma Oferta Inicial de Criptomoeda (ICO em sua sigla em inglês). Contudo, a arrecadação não registrou números satisfatórios.

Além do Avaí, outros clubes brasileiros apostaram em ter uma criptomoeda própria. No caso do time Atlético – MG, o projeto foi chamado de Galocoin. Outros nomes que investiram em uma moeda digital foram Athlético – PR e Fortaleza.

As quatro criptomoedas de times brasileiros possuem uma coisa em comum: os projetos não ganharam a visibilidade desejada. Ou seja, não foi possível introduzir a moeda digital como uso pela torcida até então.

Com uma parceria com a Chiliz, as propostas do país podem ganhar outro destaque. Até times que ainda não lançaram sua própria criptomoeda são capazes de usar a Chiliz como o Flamengo.

Por outro lado, parece que o projeto que conquista o futebol mundial não deve se restringir somente ao Brasil na América Latina, A criptomoeda do PSG e do Juventus deve ser expandida também para a Argentina em breve.

Você conhece algum clube de futebol que possui uma criptomoeda própria? Comente sobre a notícia e compartilhe no Facebook.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Jornalista apaixonado pelo universo das criptomoedas e seu enorme impacto na sociedade. Conheceu o Bitcoin em 2013 sem saber que a criptomoeda tomaria conta de sua vida anos mais tarde. Já trabalhou em outros portais de notícias sobre criptomoedas, sendo que atualmente é um dos colaboradores do BeInCrypto.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá