Crime virtual movimentou seis vezes menos criptomoedas em 2020, mostra relatório

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Participação de criminosos na movimentação de cripto despencou em 2020.

  • Crescimento do mercado e queda brusca de scams ajudaram.

  • No entanto, empresa ressalta perigo trazido por ransomware.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Ao ano do novo bull run do Bitcoin foi também marcado pela perda de relevância da atividade criminosa no mundo das criptomoedas.



Crimes virtuais movimentaram menos da metade dos valores em criptomoedas em 2020 na comparação com o ano anterior. Segundo um novo relatório da empresa de análise de dados Chainalysis, o percentual de movimentação de criptomoedas relacionado a crimes também despencou no ano.

Em 2019, criminosos enviaram e receberam aproximadamente US$ 21,4 bilhões em criptomoedas. Um ano depois, segundo a Chainalysis, o número caiu para, aproximadamente US$ 10 bilhões.



A queda percentual, no entanto, foi ainda mais significativa. De 2,1% ano passado, a fatia de criptomoedas movimentada por atividade criminosa foi a apenas 0,34% em 2020, recuo de mais de seis vezes.

Entre os motivos estaria o alto crescimento do mercado de criptomoedas no ano passado. Dessa forma, o crime virtual que lança mão de Bitcoin e outras criptos não teria crescido no mesmo ritmo.

Valores de cripto relacionados a crimes despencaram em 2020 | Fonte: Chainalysis

Golpes caem, mas ransomwares aumentam entre crimes virtuais relacionados a cripto

Dentre as atividades criminosas, a que mais perdeu relevância foram as fraudes com criptomoedas (scams). Golpes de diversos tipos relacionados a cripto que se popularizaram em 2019 perderam força no ano seguinte, caindo 72%. Apesar disso, houve um salto nesse tipo de ameaça no último mês de agosto, logo quando o Bitcoin iniciava sua ascensão.

Além disso, o mercado na darknet, que opera mixers e outros serviços ilegais usados por criminosos, continua relevante e até aumentou sua participação em 29%.

Valores movimentados por golpistas caiu substancialmente de 2019 para 2020 | Fonte: Chainalysis

No entanto, o ponto negativo que mais chamou atenção foi o aumento de casos de ransomware na passagem de um ano para o outro. Segundo o relatório de inteligência, os valores ligados a esse tipo de malware cresceram 311% no ano passado. Os ataques não necessariamente aumentaram, já que criminosos teriam passado a cobrar mais caro pelo resgate.

Aumento de valores movimentados por ransomware chamou a atenção em 2020 | Fonte: Chainalysis

A Chainalysis ressalta que o número merece atenção especialmente porque indica muitos estão vulneráveis dada a escalabilidade desse tipo de crime virtual. Quando considerados os valores perdidos por hack de ransomware, portanto, as cifras podem ser muito maiores.

Olhando além dos números, também devemos observar que o ransomware é exclusivamente destrutivo, pois os ataques podem paralisar governos e empresas locais por semanas, incluindo vários hospitais no ano passado em meio à pandemia. Quando consideramos as perdas econômicas totais não apenas de pagamentos, mas de empresas e governos que ficaram off-line em ataques, alguns especialistas estimam que o ransomware custou US$ 20 bilhões em perdas econômicas em 2020.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá