Ativo DeFi decola 1.300% em 1 mês e é a primeira a superar preço do Bitcoin

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • YFI disparou de US$ 1.000 para US$ 13.680 em pouco tempo

  • Criptomoeda é a primeira altcoin a superar preço do Bitcoin

  • Boom do mercado DeFi está por trás do acontecimento

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

TokenO preço Bitcoin foi ultrapassado pela primeira vez por uma outra criptomoeda. A altcoin Yearn Finance (YFI) acumula uma disparada substancial de mais de 1.000% em um mês impulsionada pelo boom de ativos que envolvem as finanças descentralizadas (DeFi).



Há um mês, o YFI era negociado no patamar de US$ 1.300 e, hoje, já supera os US$ 13.680. O Bitcoin, em contrapartida, caiu após não conseguir romper de vez a resistência de US$ 12.000. Na manhã desta quinta-feira (20), o BTC é comercializado por cerca de US$ 11.830.

O salto de 13 vezes no preço do YFI segue o movimento de subida generalizada de tokens DeFi. O segmento envolve o uso de contratos inteligentes em diversos produtos financeiros, geralmente criados na rede Ethereum.



A circulação de token ERC20 é tanta que as taxas da Ethereum vêm aumentando consideravelmente nas últimas semanas. Um dos principais propulsores são os ativos DeFi, que acumulam bilhões de dólares e crescem muito principalmente desde junho.

Até mesmo criptomoedas que não compartilham do mesmo protocolo poderão ser usadas nesse mercado. É o caso, por exemplo, do XRP, que será integrado ao DeFi em uma rede provida por uma empresa parceria da Ripple.

Participe da nossa Comunidade de Trading no Telegram para acessar sinais exclusivos de negociação, conteúdo educacional, discussões e análises de projetos!

Criptomoedas DeFi crescem até quando?

Além do YFI, Chainlink (LINK) e Band Protocol (BAND) são outras que valorizaram bastante recentemente. Por outro lado, a criptomoeda YAM ganhou o noticiário após disparar e derreter totalmente em um par de dias após os desenvolvedores descobrirem um bug no código.

O investimento nesse mercado, portanto, é tido como arriscado. Além disso, alguns analista apontam sinais de que o DeFi é uma bolha em plena formação. Por isso, poderia estourar a qualquer momento, levando a uma desvalorização generalizada.

O analista Andrew Kang, por exemplo, elogia as funcionalidades da tecnologia.

Muitos que eram céticos em relação ao DeFi ficam surpresos quando realmente o usam. As estatísticas nos dizem que muitos ainda não superaram esse obstáculo de uso.

Ele afirma que as moedas DeFi ainda não cresceram muito, mas não descarta uma queda brusca do mercado no futuro.

O que faz o token YFI valer mais que o Bitcoin?

O otimismo em torno do mercado DeFi faz com que um volume relevante de investimentos estejam alocados nesse tipo de tokens. Segundo o monitor DeFi Pulse, a quantia bloqueada já supera US$ 6,6 bilhões. Já é mais do triplo dos US$ 1,88 registrados no começo de julho.

Como consequência, muitos desses investimentos influenciam no preço dos tokens mais procurados. No caso do YFI, a comunidade aponta o nível de descentralização como um dos motivos pela preferência.

O token também não tem pré-mineração nem pode ser minerado. Além disso, tem uma oferta baixa de apenas 30.000 YFI, o que acaba inevitavelmente contribuindo para o preço mais alto. Para comparação, o Bitcoin terá oferta máxima de 21 milhões de BTC quando a mineração terminar.

Além disso, a equipe por trás da Yearn Finance garante que há motivos reais pelos quais a criptomoeda explodiu de valor no último mês. Um deles seria o anúncio de um sistema de seguros em rede descentralizada.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá