Criptomoedas florescem onde bancos falham

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Os Bancos Centrais de países em turbulência têm enfrentado grande escassez de dinheiro e serviços financeiros.

  • O colapso do Banco Central do Líbano e da moeda do país abre caminhos e incentiva a população procurar por criptomoedas.

  • A criptomoeda ajuda nações devastadas por guerras civis, como o Afeganistão, mas pode vir com consequências futuras e centralização.

  • promo

    BIT: 8 milhões de BITs em prêmios. Três rodadas; Montanhas de prêmios. Entrar agora!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

À medida que um número crescente de países ao redor do mundo enfrenta dificuldades econômicas em meio à turbulência política, os bancos centrais encontram-se com pouco ou nenhum poder e recursos. Com as entidades federais não confiáveis, muitos recorrem ao mercado cripto.

Patrocinados



Patrocinados

Bancos centrais desmoronam

No último ano, vários países ao redor do mundo viram suas economias quase colapsarem em alguns casos. Houve um crescimento significativo nas dificuldades econômicas. Essas austeridades são consequências da atual pandemia de covid-19, regimes corruptos, guerras, desastres naturais ou degradação financeira prolongada. Em alguns casos , como no Líbano , todos os problemas acima são aplicáveis. 

O Líbano é um país que sofre cada vez mais com a incerteza econômica, política e social. Em 2019, o sistema financeiro libanês começou a se deteriorar. E, de lá pra cá, só piorou. A moeda nacional, a libra libanesa (LBP), está indexada em dólar e vale em torno de US$1.500, embora as taxas no mercado negro tenham subido mais de 17.000 na última semana. 

Patrocinados



Patrocinados

Em uma situação normal, o banco central tem as rédeas da política econômica, incluindo as flutuações de mercado. No entanto, no país do Oriente Médio, as instituições financeiras centralizadas não estão mais disponíveis para reorientar e reorganizar a economia. Imagens recentes mostram cidadãos libaneses desesperados tentando invadir bancos locais fechados, após as instituições anunciarem a retenção e o congelamento das poupanças dos correntistas.

Outro exemplo de Banco Central em decadência é o da Venezuela. Após o declínio econômico contínuo, o PIB do país sofreu uma queda maciça nos últimos oito anos. De acordo com estatísticas da Al Jazeera, a moeda nacional do país perdeu 73% de seu valor apenas neste ano.  

Como uma solução potencial, o Banco Central decidiu por uma mudança de moeda, com o objetivo de diminuir a carga para uma “escala monetária mais simples”. Antes, o país tinha uma nota de um milhão de bolívar com o valor equivalente a apenas US$ 0,25. 

Vale lembrar que os banco centrais desses locais também competem por poder econômico e estabilidade dentro do país. Nações como Líbano e Venezuela também costumam enfrentar com frequência restrições e sanções, internacionais – principalmente econômicas – de grandes potências. No caso do Líbano, contas bancárias e cartões de crédito estão praticamente inoperantes há meses fora do país. 

Cripto salva cidadãos que vivem em economias colapsadas

Enquanto Bancos Centrais saqueiam e até desaparecem, indivíduos e às vezes até países, recorrem ao mercado cripto para economizar. No Líbano, a quebra do banco encorajou os detentores de criptomoedas a iniciar seus próprios mercados P2P, como Mario Awad. 

“Tenho oficiais (de segurança), políticos, personalidades da mídia, todo mundo está comprando criptomoedas”, disse Awad em entrevista à Reuters. “É cada vez mais comum uma pessoa que está tentando se livrar dos bancos que faliram, cortar suas perdas.”

Outro entrevistado libanês afirmou que as criptomoedas, mais especificamente Bitcoin é

“100 vezes mais real do que os dólares que temos no banco”.

Além disso, essas negociações de criptomoedas em países financeiramente quebrados, como o Líbano,  geralmente ocorrem em situações de pessoa para pessoa (P2P)  WhatsApp, Telegram e Twitter estão repletos de contas centradas em criptografia e Bitcoin que fornecem informações de mercado. Uma tendência semelhante pode ser observada na Índia. Além disso, na África, as transações de bitcoin P2P atingiram o nível mais alto em meados de 2021 com um aumento de 50% em relação ao ano passado. 

No Afeganistão, controlado pelo Talibã, a defesa da criptomoeda se fortaleceu à medida que as instituições financeiras tradicionais perdiam força. Nos últimos meses com o comando do grupo extremista, o uso de criptomoedas aumentou e colocou a nação entre os 20 primeiros dos 154 países no Índice de Adoção de Criptografia Global de 2021. De acordo com relatos , os primeiros usuários de criptomoedas utilizaram os recursos financeiros digitais para suporte e assistência durante as recentes incertezas sobre o futuro político do país. 

No entanto, ainda há muitas dúvidas sobre o risco do uso das criptomoedas em locais politicamente instáveis. Por exemplo, se o Talibã decidir sobre criar uma política de criptomoeda que lhes permite capitalizar em transações anônimas, o país pode evitar os sistemas financeiros ocidentais, além de usar os recursos para financiar o terrorismo.

As moedas digitais e os Bancos Centrais pelo mundo

Embora a questão das criptomoedas versus bancos centrais permaneça, uma combinação de ambos está no horizonte. Atualmente, vários países estão desenvolvendo as moedas digitais do banco central (CBDCs). Um relatório recente revelou que cerca de 80% dos Bancos Centrais globais têm pesquisas sobre CBDCs. 

Essencialmente, esses ativos são versões digitais dessas instituições. Um registro eletrônico ou token virtual, que contém um registro digital da moeda de uma determinada região. Embora tokens digitais, os CBDCs têm diferenças notáveis ​​em relação às criptomoedas mais tradicionais. Isso ocorre principalmente por causa da centralização dos CBDCs. 

Apesar da utilização da tecnologia blockchain, a rede subjacente estaria sob o controle da autoridade financeira emissora. Embora essa tecnologia de razão distribuída seja inovadora, a hipercentralização dos CBDCs dá aos Bancos Centrais mais poder e autoridade sobre as habilidades financeiras do cidadão. E também pode contribuir para aumentar a influência política e privada. 

Conforme mencionado, muitos países têm testes de CBDCs, como a China, outros, como os Estados Unidos, têm pesquisas em andamento sobre o tema. Quase não se pode negar as mudanças no cenário financeiro do mundo. Nessa mudança, resta saber como as instituições tradicionais e os bancos centrais irão se reposicionar.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Savannah Fortis é uma jornalista multimídia que cobre histórias na interseção entre cultura, relações internacionais e tecnologia. Por meio de suas viagens, ela foi apresentada à comunidade cripto em 2017 e tem interagido com o setor desde então.

SEGUIR O AUTOR

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

BIT. 8 milhões de BITs em prêmios. Três rodadas; Montanhas de prêmios.

Entrar agora