Economia dos EUA Encolhe 4,8% no 1º Trimestre

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Economia dos EUA recua 4,8% no primeiro trimestre

  • Previsão para o segundo trimestre é de queda ainda mais acentuada

  • Recuo ocorre após crescimento de 11 anos seguidos

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Economia norte-americana encolhe 4,8% no 1º trimestre. Após expansão de 11 anos, os EUA começam a sentir os efeitos da crise provocada pelo novo coronavírus (COVID-19). Previsão para 2020 é do pior resultado em mais de 80 anos.

Patrocinados



Patrocinados

Após crescimento contínuo de 11 anos, a economia dos Estados Unidos apresenta o seu primeiro resultado negativo.

No total apurado para os primeiros três meses de 2020, o PIB norte-americano recuou quase 5%, queda que não ocorria desde a crise de 2008.

Patrocinados



Patrocinados

Com o resultado apurado, é possível que os EUA já tenham entrado em recessão econômica.

Nesta linha, o resultado esperado para o próximos meses continua sendo negativo.

PIB Dos EUA Recua 4,8%

Segundo o BEA (Bureau of Economic Analysis), que é a Agência de Análise Econômica dos EUA, o resultado de agora contrapõe um aumento de 1,8% ocorrido no último trimestre de 2019.

Vale ressaltar que os dados apurados pelo BEA ainda sofrerão uma revisão, que será lançada apenas ao final de maio de 2020.

De todo modo, os dados fazem sentido quando contrapostos à desaceleração das atividades industriais e comerciais norte-americanas.

Entre os setores mais afetados, estão:

  • Queda do consumo pessoal
  • Resultados negativos nos investimentos não-residenciais fixos
  • Queda nos investimentos privados
  • Diminuição das exportações
  • Aumento dos gastos públicos

Coronavírus é o Grande Culpado

Os dados fornecidos pelos especialistas do governo dos EUA apontam que o COVID-19 é o maior responsável pela queda.

Como era de se esperar, o anúncio da política de distanciamento social esfriou todos os setores da economia.

No primeiro trimestre, o mercado já desabou, sabendo dos problemas que estavam por vir.

Logo, o primeiro semestre apresentou essa grande queda mesmo sem ter sido o ápice da pandemia, que chegou com força apenas em março.

Não obstante, o início da quarentena afetou profundamente a demanda por produtos e serviços, o que se reflete na queda do Produto Interno Bruto americano.

Segundo Trimestre Será Pior

Há previsão de uma queda mais acentuada no segundo trimestre, segundo os especialistas.

Isso acontece porque o segundo trimestre é o período mais crítico do COVID-19 nos EUA.

Vale lembrar que a crise começou efetivamente em março, com deterioração do sistema econômico em abril.

Assim, é de se esperar que os efeitos da quarentena sobre a economia sejam mais sentidos no ápice da crise de saúde ocasionada pelo coronavírus.

Na opinião dos especialistas da Bloomberg, é possível que a economia dos EUA encolha 37% em 2020.

Expansão vinha desde 2009

Desde 2009, os EUA conseguiam obter resultados positivos na economia.

O crescimento iniciado há mais de uma década se deu após a grande bolha do setor imobiliário de 2008.

Nos últimos anos, em especial, a economia norte-americana estava performando excepcionalmente bem, com apenas 3,5% de desempregados.

Finalmente, é esperado que os países desenvolvidos sofram uma queda drástica no PIB em 2020, conforme reportagens anteriores.

Para manter-se informado, tendo a sua disposição conteúdo constante e de qualidade, não deixe de acompanhar nosso site. Aproveite e faça parte da nossa página de criptomoedas no Twitter.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Nicolas se formou em Direito pela Universidade Federal do Paraná e é pós-graduado em Gestão de Negócios Internacionais. Atualmente, cursa Jornalismo na FAPCOM. Escreve sobre economia, política e história há alguns anos. Em 2017, após entrar em contato com a tecnologia blockchain, se entusiasmou com o seu potencial e passou a estudar as aplicações da tecnologia aos diversos setores da economia. Seu foco está em discutir as melhores maneiras de alavancar o desenvolvimento nacional através do uso do blockchain e das criptomoedas.

SEGUIR O AUTOR

Previsões de cripto com o Melhor Canal de Sinais com +70% de acertos!

Entre Agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora