Economista Que Previu Crise de 2008 Diz Que Vamos Viver uma Grande Depressão em 2020

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Nouriel Roubini disse que o mundo vai viver uma grande depressão

  • Desemprego, tensões entre EUA e China e desglobalização são algumas da tendências apontadas

  • Governos não aproveitaram a crise de 2008 para resolvver problemas estruturais

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Nouriel Roubini, economista que previu a crise financeira de 2008, disse que em 2020 nós vamos viver uma “grande depressão”.



No artigo publicado pelo site Market Watch, Roubini explica que a crise financeira que se iniciou em 2007 e perdurou até 2009 fez com que os desequilíbrios e riscos que permeiam a economia global fossem exacerbados por erros políticos.

Os governos não aproveitaram a crise para abordar problemas estruturais que o colapso financeiro e a recessão revelaram, eles resolveram a situação criando grandes riscos negativos, que acabaram tornando outra grande crise inevitável.



A situação vivida pelo mundo hoje fez esses riscos aumentaram. Ainda que a crise leve a uma recuperação em forma de U este ano, uma “Grande Depressão” em forma de L deve acontecer no final desta década.

Roubini mostra as 10 tendências que evidenciam que essa década será difícil.

1. Aumento da inadimplência e endividamento

A resposta política à crise do coronavírus vai aumentar os déficits fiscais dos países em algo em torno de 10% do PIB ou mais. Vários países já possuem um nível de dívida pública muito altos ou até insustentáveis.

As inúmeras famílias e empresas que estão perdendo sua renda podem gerar uma inadimplência em massa.

2. Problemas demográficos

O coronavírus nos mostrou a importância de destinar mais verbas aos sistemas de saúde. Que, em sua maioria, não foram suficientes para atender a população dos países. Além disso, a maior parte dos países desenvolvidos têm problemas demográficos, a população de idosos que requer mais assistência médica e de seguridade social está crescendo em relação à população economicamente ativa.

3. Deflação

A crise do coronavírus, além de causar uma profunda recessão, também está criando uma “folga” na produção de bens e aumentando o desemprego. O colapso dos preços das commodities, que viram sua demanda diminuir, são o prato cheio para a deflação da dívida e risco de insolvência.

4. Política monetária

As políticas monetárias adotadas pelos governos se tornarão ainda mais não convencionais e de longo alcance. Ou seja, no curto prazo, os governos vão executar déficits fiscais para evitar a depressão e a deflação. Porém, com o tempo, os permanentes da oferta negativa da ‘desglobalização’ acelerada e do protecionismo renovado tornarão a estagflação praticamente inevitável.

5. Crise no emprego

Milhões de pessoas estão perdendo seus empregos ou tendo suas rendas reduzidas, isso vai aumentar as diferenças de renda e riqueza. Muitas empresas abandonarão suas fábricas em regiões de baixo custo e retornarão para seus mercados domésticos. Isso não ajudará os trabalhadores dessa região, ao contrário, essa tendência acelerará o ritmo da automação e poderá aumentar o populismo, nacionalismo e xenofobia.

6. Desglobalização

A crise está fazendo com que países adotem políticas mais protecionistas para proteger empresas e trabalhadores domésticos das rupturas globais. O mundo pós pandemia pode ser marcado por restrições mais rígidas ao movimento de bens, serviços, capital, trabalho, tecnologia, dados e informações.

7. Restrições de comércio e imigração

Líderes se beneficiarão da fraqueza econômica, desemprego em massa e a crescente desigualdade para achar um bode expiatório de estrangeiros e de comércio para culpar pela crise. Isso vai afetar diretamente as políticas de imigração e comércio.

8. Tensões entre EUA e China

O governo Trump está se esforçando para culpas a China pela pandemia, em contrapartida, Xi Jinping dobrará sua alegação de que os EUA estão conspirando para impedir a ascensão pacífica da China. Podemos esperar uma intensificação na dissociação dos países no comércio, tecnologia, investimento, dados e acordos monetários.

9. Distanciamento dos demais países

A tensão entre EUA e China servirá para preparar o terreno para uma nova guerra fria entre os EUA e seus rivais, o Irã, Rússia, China e Coreia do Norte.

10. Novas pandemias

Roubini acredita que as epidemias recorrentes são, como as mudanças climáticas, desastres causados ​​pelo homem, nascidos de maus padrões sanitários e de saúde e abuso de recursos naturais.

Por isso ele diz que as pandemias e os muitos sintomas mórbidos das mudanças climáticas se tornarão mais frequentes, severos e onerosos nos próximos anos.

Para manter-se informado, tendo a sua disposição conteúdo constante e de qualidade, não deixe de acompanhar nosso site. Aproveite e faça parte da nossa página de criptomoedas no Twitter.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Mercadóloga, mestra em estratégia e estudiosa do mercado financeiro. Entusiasta do Bitcoin, começou a escrever sobre criptomoedas em 2017 e nunca mais parou. Atualmente é colaboradora do portal BeInCrypto.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá