Empresa de Pernambuco é alvo dos mesmos hackers do oleoduto nos EUA

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Grupo Moura, conhecido nacionalmente pela fabricação de baterias de automóveis, sofreu num ataque hacker do grupo DarkSide.

  • Roubo de dados não foi capaz de afetar a produção dos produtos da empresa.

  • Grupo DarkSide ganhou destaque após ataque a oleoduto nos EUA.

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O Grupo Moura, empresa pernambucana conhecida nacionalmente pela fabricação de baterias de automóveis, sofreu nesta quarta-feira (12) um ataque virtual do famoso grupo DarkSide. Os hackers tem ganhando notoriedade na mídia por realizar sequestro de dados de grandes companhias e pedirem pagamentos em criptomoedas como resgate.

Patrocinados



Patrocinados

O Grupo Moura teve seus fornecedores atacados por um ransomware, malware que é capaz de criptografar os dados dos dispositivos que são infectados e impedir o acesso pelos proprietários.

Em nota à Veja nesta sexta-feira (14), a empresa confirma o ataque analisando os dados que foram roubados e tomando todas as medidas necessárias para fortalecer a segurança em sua rede. A companhia, no entanto, não menciona pedido de resgate em criptomoedas.

Patrocinados



Patrocinados

A publicação também diz que um funcionário teria confirmado o incidente, porém teria revelado que os hackers não afetaram a produção de baterias e outros produtos da Moura.

A equipe de hackers DarkSide tem aparecido com frequência no noticiário pelo mundo após o ataque recente realizado contra a Colonial Pipeline, maior oleoduto norte-americano.

O roubo de informações chegou a afetar a distribuição de gasolina nos Estados Unidos, fazendo a companhia realizar o pagamento de US$ 5 milhões em criptomoedas para conseguir recuperar seus dados.

Além disso, o grupo de cibercriminosos confirmou, também nesta sexta-feira (14), um outro ataque, dessa vez contra a multinacional de tecnologia japonesa Toshiba.

No Brasil, as empresas Moura não são o primeiro alvo bem sucedido dos criminosos. Ataques do grupo já foram realizados contra as estatais Copel e Eletrobras em fevereiro deste ano.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Anderson atua como redator para o BeInCrypto, escrevendo sobre as principais notícias sobre o criptomercado e economia em geral. Antes de entrar para a equipe brasileira do site, ele participou de projetos relacionados a trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados a criptomoedas. Formando em Administração, está cursando pós graduação em Investimentos e Blockchain pela EA Banking School.

SEGUIR O AUTOR

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora