Empresa vai distribuir 45,8 bilhões de tokens de graça para usuários de XRP

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Flare Networks anuncia que vai distribuir 45,8 bilhões de unidades do token Spark

  • Quantidade é maior do que a prevista inicialmente para airdrop.

  • Anúncio aconteceu antes de venda em massa que voltou a atingir o preço da XRP.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Flare Networks anuncia que vai distribuir uma quantidade maior de tokens Spark do que a prevista inicialmente para airdrop destinado a donos de XRP.



Usuários de XRP terão direito a receber 45,8 bilhões do token Spark. A Flare Networks, empresa por trás do projeto, definiu que essa será a quantidade de tokens distribuídos para quem está participando do airdrop. A verificação de carteiras aconteceu no dia 11 de dezembro.

Segundo a companhia, o montante é suficiente para garantir uma paridade de praticamente um token Spark (FLR) para cada unidade de XRP. Dessa maneira, a expectativa é que todos que passaram pela verificação devem receber a mesma quantidade em Spark de graça. A quantidade específica, disse a Flare, será de 1.0073 FLR para cada XRP.



O valor a ser distribuído será exatamente de 45.827.728.412 tokens. Em uma postagem no blog oficial na última sexta-feira (18), a Flare afirma que o montante é um pouco maior do que os 45 bilhões inicialmente destinados ao airdrop. Segundo a empresa, a diferença será retirada da fatia a ser recebida pelos próprios criadores.

O total, dessa maneira, não passará dos 100 bilhões de tokens Spark planejados inicialmente. Trata-se, portanto, de uma paridade de exatamente um para um com o XRP, que tem essa mesma oferta. Boa parte, no entanto, está nas mãos da Ripple: mais de 54 bilhões de XRP.

Token Spark ainda não tem data para chegar

O token Spark será compatível com contratos inteligentes e, portanto, poderá ser usado em aplicações DeFi. O ativo, dessa maneira, poderá ser utilizado como meio para tokenizar a XRP para esse tipo de funcionalidade, que não existe na rede da Ripple.

Segundo os criadores, a ideia é produzir tokens com funcionalidade similar para outras moedas, como o Bitcoin e a Litecoin. De certa forma, a solução se parece com a oferecida pela Polkadot.

Ainda não se sabe, porém, quando os tokens serão de fato distribuídos. A reivindicação dos tokens poderá ser feita até janeiro de 2021 para quem tem XRP custodiado por conta própria, por exemplo. O lançamento da rede acontecerá apenas depois desse prazo. Mas, por ora, ainda não há uma data divulgada.

XRP vive gangorra e afunda após venda em massa

O airdrop do token Spark foi o grande propulsor da XRP em novembro. No último mês, a criptomoeda da Ripple viu um aumento acelerado após ir de cerca de US$ 0,29 a mais de US$ 0,70. O valor chegou a corrigir fortemente após a verificação das carteiras. No entanto, voltou a subir depois que o Bitcoin rompeu os US$ 20.000, sugerindo uma nova altseason.

Nesta segunda-feira (21), entretanto, o ativo mergulhou novamente. Após uma venda em massa nas primeiras horas do dia, a XRP afundou de US$ 0,58 para US$ 0,50. Desde então, a moeda voltou a ser negociada no patamar de US$ 0,52, segundo o Coingecko. No entanto, a força de recuperação ainda não parecer ser a mesma de antes.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá