Empresário de Bitcoin Sequestrado Deve R$ 350 Mil Para Cliente

Compartilhar Artigo

Um empresário de Bitcoin está sendo citado em um processo judicial envolvendo um investimento de quase R$ 350 mil. O homem que aparece como réu na ação é o mesmo que foi sequestrado no final de 2019 por policiais, após uma dívida milionária em Bitcoin.



Inicialmente a justiça indeferiu o pedido de gratuidade envolvendo o caso. A publicação sobre o processo mostra que uma cliente do negócio está processando três empresas com envolvimento no mercado de criptomoedas.

O nome de sócios do esquema aparecem também como réus na ação, incluindo o empresário sequestrado para o pagamento de uma dívida que envolvia o Bitcoin. No entanto, o sequestro e o processo judicial em questão não possuem relação.



Quase R$ 350 mil investidos em negócio de bitcoin

A justiça em todo o Brasil aguarda o recesso terminar para dar continuidade aos processos em aberto. Enquanto isso algumas análises são publicadas, como o caso envolvendo a Bwa Brasil Tecnologia Digital.

Em uma ação proposta em Santos – SP, uma investidora aparece solicitando cerca de R$ 350 mil como valor a ser pago pelos réus. Nos autos do processo a informação sobre investimentos em criptomoedas, como o Bitcoin, aparece apenas para indeferir a gratuidade da ação.

É que antes que a empresa seja julgada, a justiça analisa o pedido relacionado às custas processuais. Neste caso, o valor alto investido em Bitcoin e o natureza de alto risco das moedas digitais foi o suficiente para negar tal pedido à investidora. São réus nesta ação os seguintes nomes:

  • Paulo Roberto Ramos Bilibio
  • Roberto Willens Ribeiro
  • Marcos Aranha
  • Jéssica da Silva Farias
  • Julia Abrahao Aranha
  • Bruno Henrique Maida Bilibio
  • Bwa Br Serviços Digitais
  • B2ex Intermediação e Serviços Digitais
  • Bwa Brasil Tecnologia Digital

Empresário sequestrado para pagar dívida com dono de startup

No final de 2019 um empresário sequestrado por policiais denunciou um esquema milionário envolvendo o Bitcoin. O homem é apontado como tendo relação com um negócio de rastreadores de carro que fez vítimas ainda em 2013.

Segundo o empresário que terminou sendo sequestrado, policiais tentaram receber uma dívida de R$ 3 milhões em nome de um cliente da Bwa, que também era dono de uma startup. Após o não pagamento do montante, o dono da BWA foi sequestrado em São Paulo.

O sequestro era visto como a única forma do cliente lesado receber aquilo que investiu na empresa de Bitcoin considerada fraudulenta. Porém, a confusão envolve também o Bitcoin Banco, para onde o dinheiro foi enviado após as operações na BWA.

Por fim, o empresário foi obrigado a pagar R$ 1 milhão para o dono da startup que é apontado como o mandante do sequestro. O montante teria que ser pago em dinheiro, sendo que R$ 550 mil foram entregues ainda na noite do sequestro.

O homem que foi sequestrado é o mesmo que aparece no processo envolvendo uma dívida com Bitcoin. No total, a cliente da Bwa pede um pagamento de R$ 347.161,86 na ação judicial que envolve líderes da empresa que teve seu dono sequestrado por um grupo de policiais no estado de São Paulo.

Comente sobre o processo relacionado a Bwa Brasil Tecnologia Digital. Não se esqueça de compartilhar esta notícia no Facebook.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Com formação em ciências e redação, Alice começou a escrever profissionalmente há 7 anos. Desde então, ela tem aprendido, investido e escrito sobre criptomoedas e tecnologia blockchain para algumas das maiores publicações do setor. Atualmente, compõe a equipe de jornalistas Brasil da BeInCrypto.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá