• Empresário conhecido como Luciano Ayan e parceiro foram presos nesta manhã
  • Eles são acusados de lavar dinheiro de supostas doações ao MBL
  • Esquema envolveria uso de criptomoedas

Uma operação realizada na manhã desta sexta-feira (10) resultou na prisão de empresários ligados ao MBL (Movimento Brasil Livre). Segundo o Ministério Público de São Paulo, os acusados operaram esquema de lavagem de dinheiro usando criptomoedas.

Foram presos Alessander Mônaco Ferreira e Carlos Augusto de Moraes Afonso. Carlos é conhecido nas redes sociais como Luciano Ayan, criador dos portais Ceticismo Político e Jornalivre. A operação foi executada pela Polícia Civil de São Paulo e contou com participação da Receita Federal. As autoridades estimam que a fraude chegue ao valor de R$ 400 milhões.

Em reportagem do UOL de 2019, ex-colaboradores dos sites disseram que o MBL orientava pautas que atacavam inimigos políticos do grupo. A investigação liderada pelo MP paulista, no entanto, se atém à ocultação de patrimônio advindo de supostas doações.

Segundo as autoridades, os acusados realizaram “confusão jurídica empresarial” para intermediar “doações de forma suspeita”. As chamadas “cifras ocultas” seriam, dessa maneira, destinadas ao MBL. Parte da estratégia envolveria lavagem de dinheiro com uso, por exemplo, de criptomoedas.

As evidências já obtidas indicam que estes envolvidos, entre outros, construíram efetiva blindagem patrimonial composta por um número significativo de pessoas jurídicas, tornando o fluxo de recursos extremamente difícil de ser rastreado, inclusive utilizando-se de criptoativos e interpostas pessoas.

Participe da nossa Comunidade de Trading no Telegram para acessar sinais exclusivos de negociação, conteúdo educacional, discussões e análises de projetos!

MBL nega envolvimento em esquema com criptomoedas

Segundo o UOL, o deputado federal Kim Kataguiri nega que Luciano Ayan e o outro empresário tenham envolvimento com o MBL. Ele diz que eles “não são integrantes e sequer fazem parte dos quadros do MBL”. Além disso, alega que “nunca foram membros do movimento”.

Ele atribui a associação dos acusados ao movimento a uma notícia veiculada “de maneira errônea” por um portal. No entanto, segundo apurou o UOL, o Grupo Especial de Repressão a Delitos Econômico do MP considera que ambos integram o MBL.

Paulo Alves Jornalista

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

Seguir o Autor

Quer saber mais?

Entre para o nosso Canal do Telegram e receba sinais de trade, um curso gratuito de trade e comunicação diária com entusiastas de cripto!

Esse site usa cookies.
Clique aqui para aceitar o uso desses cookies. Veja nossa Política de Cookies

Estamos discutindo isso em nosso Canal de Telegramas

Junte-se a

Sinais diários, análises Bitcoin e chat de traders. Junte-se ao nosso Telegram hoje!

Vamos lá

We are discussing it in our Telegram Channel

Join

We are discussing it in our Telegram Channel

Join