Empresas se unem para criar solução blockchain contra falsificação de agroquímicos no Brasil

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Empresas suíças começam a implementar a tecnologia blockchain nas lavouras do Brasil.

  • A ideia é dar transparência aos processos e impedir a falsificação de agroquímicos.

  • Em 2019, agrotóxicos ilegais foram utilizados em 23% de todas as plantações do país.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

As empresas suíças Lonza e Authena unem forças para trazer o blockchain às lavouras do Brasil como forma de garantir a segurança e rastreabilidade dos agroquímicos.



O aumento dos agrotóxicos ilegais utilizados nos campos tem se tornado uma preocupação real e coloca em jogo a segurança do alimento que chega à mesa do consumidor. 

Além disso, a pandemia do coronavírus tornou as pessoas mais conscientes sobre a sua saúde alimentar. Dessa forma, rastrear a procedência dos alimentos se torna um desafio que encontra sua solução na tecnologia das criptomoedas. 



As empresas suíças Lonza e Authena vão utilizar blockchain para permitir rastrear, bem como comprovar a autenticidade, dos agroquímicos utilizados por agricultores em suas plantações. 

A Lonza é uma empresa global que abastece os mercados farmacêuticos e biotecnológicos. Na área do agronegócio, a companhia também produz fertilizantes e tem o Brasil como um dos principais compradores. Já a Authena é uma startup suíça que desenvolve soluções com tecnologia blockchain.  

O Brasil é o foco inicial do projeto. Se o projeto piloto for bem-sucedido aqui, o objetivo da Lonza é aplicar a tecnologia blockchain para toda a sua gama de serviços de agronegócio, no restante dos países onde também atua.

Blockchain no campo

O projeto já começou a ser testado nas lavouras do Brasil, munidas de identificadores de comunicação de campo próximo (NFC) nos produtos de proteção da Lonza. 

A empresa explica que os identificadores são parecidos com QR Codes. No entanto, são mais complexos e permitem ao usuário verificar a origem do produto. Será possível saber se foi adulterado, qual é sua posição na cadeia de valor e sua validade.

Conforme explica Rubik Sommerhalder, chefe global de marketing da LonzaCropProtection:

“Rastreabilidade, ou saber a posição de um produto na cadeia de valor, melhora claramente a eficiência dos processos. Proteção tem tudo a ver com autenticidade. os produtores precisam saber que os produtos que utilizam são de alta qualidade e não são falsificados.”

A ideia é combinar os identificadores NFC com a tecnologia blockchain para criar uma cadeia global e verificável de suprimentos. Dessa maneira, é possível diminuir o risco da entrada de produtos falsificados no sistema.

O prejuízo do agroquímico ilegal

A escolha do Brasil para ser o primeiro país a receber a tecnologia não vem sem motivos. Em 2019, os agrotóxicos ilegais foram utilizados em 23% de todas as lavouras do país. 

O uso de produtos provenientes do contrabando deu prejuízo de R$ 16 bilhões ao mercado brasileiro, conforme dados da AgroLink

Além das perdas que isso causa à economia do país, o impacto irreversível à saúde da população, que consome produtos contaminados por agrotóxicos ilegais, é incalculável.

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Saori Honorato é jornalista e para o BeInCrypto escreve sobre os principais acontecimentos do universo das criptomoedas.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá