Escassez do bitcoin: apenas 22% de BTC está disponível para compra

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Relatório mostra que 78% do fornecimento total do bitcoin está detido por entidades ilíquidas.

  • A escassez tende a aumentar durante os mercados em alta, onde o bitcoin se encontra agora.

  • Mais de 1 milhão de BTC se tornaram ilíquidos no decorrer de 2020.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Novo estudo indica que atualmente apenas 22% do fornecimento total de bitcoin está disponível para negociações no mercado.



Grande parte dos bitcoins emitidos já tem donos que parecem não querer devolver tão cedo a criptomoeda ao mercado.

Conforme um novo relatório desenvolvido pela Glassnode, cerca de 14,5 milhões de bitcoin estão detidos por entidades ilíquidas. Ou seja, 78% do fornecimento total da criptomoeda não está em circulação.



Essas entidades englobam tanto empresas quanto usuários comuns, que mantém o bitcoin parado em suas carteiras. O movimento de segurar as criptomoedas, no entanto, está aumentando a escassez do bitcoin. 

Bitcoin: fornecimento líquido e ilíquido. Fonte: Glassnode

Conforme a Glassnode, 88,5% do fornecimento total do BTC já foi extraído. Desse modo, o fornecimento atual de bitcoin é de aproximadamente 18,6 milhões.

Desse total, 14,5 milhões de BTC em circulação são considerados ilíquidos.

De tal forma que resta apenas 4,2 milhões de BTC em circulação constante disponíveis para compra e venda. Isso representa 22% do total do bitcoin disponível hoje, conforme demonstra o gráfico acima.

O número de bitcoin realmente disponíveis para compra e venda, no entanto, é muito menor. Isso porque, desde seu surgimento, uma quantidade substancial de BTC extraído acabou perdido para sempre. Conforme a Glassnode, a estimativa de ativos inacessíveis é de cerca 3 milhões de BTC.

Escassez do bitcoin disparou em 2020

A valorização impressionante do bitcoin de 280% esse ano impactou a sua liquidez — ou a falta dela. De acordo com o relatório, mais de 1 milhão de BTC se tornou ilíquido no decorrer de 2020.

Mudança cumulativa da liquidez do BTC. Fonte: Glassnode

Ao analisar a mudança cumulativa de BTC líquido vs. ilíquido desde 2017, o gráfico mostra que a escassez tende a diminuir quando o mercado está em baixa. Consequentemente, ela aumenta durante os mercados em alta, exatamente onde o bitcoin se encontra agora.

Além disso, a oferta líquida de bitcoin está em constante queda em 9 meses consecutivos, diminuindo seu crescimento de 30% para 12%.

O mesmo padrão aconteceu na corrida de touros de 2017, quando a oferta ilíquida crescia mais do que a oferta total de bitcoin em circulação. 

Por fim, os analistas indicam que quanto mais o bitcoin chama a atenção dos investidores por seu papel de reserva de valor, mais escasso ele se tornará.

“Quantificar a liquidez do Bitcoin é essencial para entender seu mercado. Se muitos bitcoins são ilíquidos, surge uma crise do lado da oferta. […] um aumento sustentado de bitcoins ilíquidos é uma indicação de forte sentimento de hodling do investidor e um sinal potencial de alta.”

A tendência do bitcoin daqui pra frente é se tornar cada vez mais escasso, já que grandes empresas estão comprando grande parte do bitcoin recém-minerado.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Saori Honorato é jornalista e para o BeInCrypto escreve sobre os principais acontecimentos do universo das criptomoedas.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá