ETF de criptomoedas ganha adesão do Banco do Brasil e tem lançamento adiado

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • ETF será lançado no dia 26 de abril.

  • Banco do Brasil se junta a bancos que irão coordenar a emissão e distribuição do ETF.

  • Produto será disponibilizado para clientes do Itaú Personnalité.

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

A data de lançamento do primeiro fundo negociado em bolsa (ETF) de criptomoedas no Brasil foi adiada para o dia 26 de abril.

Patrocinados



Patrocinados

A Hashdex, gestora que criou o índice de referência do fundo, informou a decisão de adiar a chegada do ETF na bolsa brasileira em carta destinada aos seus clientes na quarta-feira (14). A empresa não esclareceu os motivos do adiamento. A informação é do Valor.

Inicialmente, o ETF de criptomoedas estrearia na B3 no dia 22 deste mês. O fundo, que será negociado sob o código HASH11, acompanha o índice Nasdaq Crypto Index (NCI), desenvolvido pela bolsa de valores norte-americana em parceria com a Hashdex.

Patrocinados



Patrocinados

Segundo o comunicado, os pedidos de subscrição das cotas poderão ser realizados até o dia 20 de abril. Somente agentes autorizados poderão efetua-los, tanto em seu próprio nome, como em nome de seus clientes.

O documento também informa que o Banco do Brasil é o mais novo banco a aderir ao fundo. Dessa forma, a instituição se junta ao BTG Pactual, ao Genial e ao Itaú BBA como coordenadores na emissão e distribuição do produto.

Já o Itaú, que já compunha o quadro de coordenadores do ETF de criptomoedas, aproveitou o momento e anunciou que irá comercializar o produto.

O investimento será disponibilizado inicialmente para os membros do Itaú Personnalité, considerados os clientes VIP da instituição, conforme anúncio no podcast Investidor em Foco.

Também no podcast, o Head de Produtos e Mesas do Itaú BBA, Eric Altafim, mencionou que já não é possível ignorar o Bitcoin como instrumento de investimentos. O BTC, vale lembrar, responde pelo maior parte da cesta de ativos que compõe o índice NCI.

Segundo o executivo, o banco irá aconselhar cada cliente individualmente acerca do tamanho do aporte, de modo a adequar a alocação de portfólio aos diferentes perfis de investidor.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Anderson atua como redator para o BeInCrypto, escrevendo sobre as principais notícias sobre o criptomercado e economia em geral. Antes de entrar para a equipe brasileira do site, ele participou de projetos relacionados a trading, produção de notícias e conteúdos educacionais relacionados a criptomoedas. Formando em Administração, está cursando pós graduação em Investimentos e Blockchain pela EA Banking School.

SEGUIR O AUTOR

Previsões de cripto com o Melhor Canal de Sinais com +70% de acertos!

Entre Agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora