Ex-funcionária da Atlas Quantum não consegue retirar bônus pago pela empresa, entra com ação e leva R$ 370 mil

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Ex-colaboradora da Atlas entra com ação trabalhista

  • Ela pede pagamento de bônus e premiações

  • Justiça condena empresa a pagar R$ 370 mil

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Uma ex-funcionária da Atlas Quantum entrou com uma ação trabalhista. No processo, ela afirma que não conseguiu receber bônus e premiações pagas pela empresa. A Justiça deu ganho deu causa e determinou pagamento de R$ 370 mil.



De acordo com processo que corre no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, a ex-colaborada entrou com ação trabalhista contra a Atlas Quantum em maio deste ano. Nos autos, ela disse que trabalhou na empresa por oito meses.

Ainda no processo, a ex-funcionário disse que teria recebido um bônus de R$ 127 mil. O valor, conforme a ação, teria sido pago em Bitcoin e depositado na plataforma de negociação de criptomoedas da empresa.



Desde o final de 2019, no entanto, a Atlas enfrenta problemas na Justiça e não libera saques. Por causa disso, o bônus da funcionária, segundo ela, estaria preso.

Ex-funcionária alega que não recebeu premiação

Além do bônus, a ex-funcionária também pediu pagamentos de multas, correção do FGTS e outras verbas rescisórias. Alegou ainda que tem a receber premiações em criptomoedas prometidas pela empresa.

Essas premiações, ainda segundo os autos, fariam parte de uma política de reconhecimento de funcionários. O valor pago a cada colaborador dependeria do desempenho de cada um.

A ex-funcionária disse que, só em premiações, teria que receber R$ 186 mil.

Atlas Quantum coloca a culpa no Estado

No processo, a Atlas Quantum informou que não pagou verbas rescisórias por “motivos financeiros” e “força maior”. A empresa disse ainda que teve que demitir os funcionários por culpa do Estado.

Em agosto de 2019, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) proibiu a empresa de ofertar títulos ou contratos de investimento coletivo. A autarquia é responsável por regular o mercado de capitais do Brasil.

No processo, a Atlas Quantum não negou que deve o valor do bônus e das verbas para a ex-colaboradora. No caso da premiação, no entanto, a empresa alegou que não teria responsabilidade.

O que disse a Justiça?

A Justiça não reconheceu os argumentos da Atlas Quantum. No caso da culpa atribuída à CVM, a juíza do trabalho Rosangela Lerbachi Batista disse que a autarquia, ao proibir a empresa de ofertar investimentos, agiu em benefício do interesse público.

A magistrada condenou a empresa a pagar à ex-colaboradora tanto as verbas rescisórias como o bônus e as premiações. A decisão é do dia 18 de outubro. A Atlas Quantum deve depositar para ela R$ 370 mil, além de arcar com as custas processuais. A sentença deverá ser cumprida em 48 horas após o trânsito em julgado.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Jornalista desde 2010. Já colaborei para diversos veículos, como Gazeta do Povo, Agência Estadual de Notícias (AEN) e Paraná Portal. Escrevo regularmente para o UOL e para outros portais especializados em criptoeconomia. Tive meu primeiro contato com o mercado de criptomoedas em meados de 2019, quando comecei a cobrir casos de golpes financeiros. No BeInCrypto, produzo e edito textos.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá