Exchange brasileira suspeita de fraude deve R$ 1,6 bilhão para credores, aponta relatório

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Grupo Bitcoin Banco deve R$ 1,6 bilhão

  • Valor é o triplo do divulgado no início deste ano

  • Informação foi divulgada por administradora judicial

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O Grupo Bitcoin Banco, de Curitiba (PR), tem uma dívida de cerca de R$ 1,6 bilhão com credores. O montante é o triplo do apontado no início de 2020 pela empresa.



A informação foi divulgada nesta segunda-feira (19) em lista da administradora judicial do grupo, a EXM Partners.

A lista foi publicada dentro do processo de recuperação judicial do conglomerado.



A ação corre na 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da capital paranaense desde o final de 2019.

Credores têm 10 dias para contestar

Os credores da empresa têm dez dias para contestarem as informações, de acordo com a juíza Mariana Gluszcynski Fowler Gusso. Foi ela que, conforme reportou o BeInCrypto, pediu para a empresa depositar 7 mil bitcoins em uma conta judicial.

O Ministério Público, caso tenha alguma contestação, também pode se pronunciar nos próximos dias.

Em grupos do Telegram, supostos investidores do Grupo Bitcoin Banco já se manifestaram sobre a relação de credores.

“Meu nome nem está na lista, mas mesmo se tivesse, é só perda de tempo. Ninguém vai receber nada não. Graças a Deus perdi pouco nesse lixo de pirâmide”, disse um suposto antigo cliente do Grupo Bitcoin Banco, que se identifica apenas pelo nome de “Pardal”.

Divisão da dívida do Grupo Bitcoin Banco

Segundo o documento, a empresa deve R$ 1,52 bilhão para investidores (credores quirografários), cerca de R$ 20 milhões para empresas (credores ME e EPP) e quase R$ 7 milhões para antigos colaboradores (credores trabalhistas).

De acordo com a lei de falências ( nº 11.101/2005), os credores trabalhistas têm prioridade para receber os valores. Em último lugar, conforme a legislação, estão os investidores.

Processo de recuperação judicial

O Grupo Bitcoin Banco, suspeito de ser um esquema fraudulento, está em processo de recuperação judicial desde o final de 2019.

Em maio deste ano, em plano de recuperação judicial apresentado à Justiça, a empresa informou que iria pagar os credores em 84 parcelas. Em outras palavras,  deve quitar a dívida total somente em 2021.

A empresa, sediada em Curitiba, não libera saques para investidores desde o início do ano passado. Naquele período, a empresa informou que não conseguiria mais liberar dinheiro porque teria sido alvo de um ataque hacker. A Polícia Civil do Paraná, que investigou o caso, não encontrou provas da alegação.

Ainda no início deste ano, a juíza Camile Santos de Souza Siqueira, da 3ª Vara Criminal de Curitiba, disse que o Grupo Bitcoin Banco pode ter operacionalizado uma “fraude sofisticada e complexa”.

A empresa foi fundada pelo empresário Claudio Oliveira.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Jornalista desde 2010. Já colaborei para diversos veículos, como Gazeta do Povo, Agência Estadual de Notícias (AEN) e Paraná Portal. Escrevo regularmente para o UOL e para outros portais especializados em criptoeconomia. Tive meu primeiro contato com o mercado de criptomoedas em meados de 2019, quando comecei a cobrir casos de golpes financeiros. No BeInCrypto, produzo e edito textos.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá