Exchanges de criptomoedas do Brasil à frente de EUA e Europa em combate a fraudes; veja mapa

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Exchanges brasileiras aparecem bem posicionadas em ranking da Ciphertrade

  • Brasil sai à frente dos EUA e países europeus

  • No entanto, resto da América Latina é ainda melhor para evitar fraudes

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

As exchanges de criptomoedas brasileiras estão bem posicionadas em um ranking global que mede um importante pilar para o combate à lavagem de dinheiro. Segundo um relatório de segurança divulgado na última quinta-feira (1), as corretoras do país tendem a dificultar fraudes com criptomoedas.



O levantamento foi realizado pela empresa de análise Ciphertrade com 800 empresas do setor de ativos digitais. A pesquisa leva em conta o que se chama de Know Your Costumer (KYC), conjunto de práticas de identificação de clientes.



No caso, o ranking envolve o quanto cada corretora consegue obter de informação sobre a identidade de quem opera com criptomoedas. A ideia é que, quanto maior esse nível, menores são as chances de haver lavagem de dinheiro na plataforma.

O Brasil aparece no grupo de países logo abaixo do nível “Ótimo” nesse quesito. Também estão no mesmo patamar as exchanges de criptomoedas da Argentina, Austrália, Canadá, China e Índia.

Segundo a Ciphertrace, as exchanges brasileiras estão ainda melhor posicionadas que as dos EUA, Itália e Alemanha, por exemplo. Entre os piores surgem a Rússia e diversos da Europa, como Noruega, Polônia e Irlanda.

Embora este relatório forneça informações valiosas sobre o potencial de lavagem de dinheiro com criptomoedas em um determinado país, o KYC é apenas um fator ao avaliar o risco geral de um provedor de serviços de ativos digitais.

Um dos motivos pelo bom desempenho do Brasil é a LGPD. A nova lei, que entrou em vigor recentemente, forçou empresas a melhorarem seus sistemas de identificação. Embora a legislação ainda não preveja punição, exchanges dizem estar preparadas.

Enquanto isso, um novo Projeto de Lei visa apertar mais ainda a regulação no setor.

Como comprar Bitcoin e entrar no grupo de sinais gratuito do BeInCrypto 

Exchanges de outros países da América Latina estão melhores que brasileiras

Apesar do bom posicionamento do Brasil, exchanges de outros países na América Latina aparecem à frente no ranking. México, Venezuela, Colômbia, Peru e Paraguai são classificadas com alto nível de KYC.

 

Dessa maneira, a região como um todo está à frente do resto do mundo. As exchanges da Europa, por outro lado, são as que pior pontuam em conjunto de países.

Esse seria, inclusive, um dos motivos pelos quais esquemas brasileiros acabam levando criptomoedas ao exterior para fugir de autoridades.

Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá