Famoso analista explica por que adoção do Bitcoin ‘está apenas esquentando’

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Número de usuários de Bitcoin volta a crescer após pico de 2017.

  • Para analista, curva de adoção está só no começo.

  • Estimativa projeta que apenas uma parte irrisória dos futuros usuários já compraram Bitcoin.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Gráfico mostra evolução de usuários de Bitcoin em três anos e projeta crescimento que pode elevar ainda mais o preço da criptomoeda.



O Bitcoin voltou a superar a marca de US$ 50.000 na manhã desta quarta-feira (3) após mais de uma semana de correção. Para o famoso analista Willy Woo, no entanto, há outros sinais que fazem crer que o rali de preço da criptomoeda está só no início.

Uma dessas pistas seria, por exemplo, o crescimento no número de usuários de Bitcoin. Em queda desde a máxima de dezembro de 2017, o volume de usuários voltou a aumentar com força no final de 2020, quando o BTC rompeu o antigo recorde perto de US$ 20.000.



Por causa do caráter anônimo da blockchain, os números levam em conta o que se chama de “entidade”. Cunhado pela casa de análise Glassnode, o termo tenta identificar carteiras detidas pelos mesmos indivíduos, diferenciando o comportamento de exchanges, mineradores e outros endereços que não pertencem à uma única pessoa.

O volume de entidades detentoras de Bitcoin chegou recentemente próximo de 12.000. Embora pareça alto, o número ainda fica atrás dos mais de 15.000 alcançados no pico da virada de 2017 para 2018. Segundo Woo, no entanto, a curva deve ser maior que a anterior, fazendo o Bitcoin superar o patamar de antes.

O aumento de usuários de Bitcoin por dia é visível na blockchain. Os investidores de varejo chegaram em janeiro. Como os ciclos anteriores, espero que esse pico seja mais alto do que os anteriores. Dá uma ideia de como esse mercado de alta está apenas esquentando.

Fonte: Glassnode

Bitcoin ainda estaria nos primeiros 2% da curva de adoção

Segundo o analista, um dos motivos que o fazem crer que a curva de adoção do Bitcoin está apenas começando é o conceito de Curva S de Adoção. Utilizado para descrever a adoção de outras novas tecnologias, o modelo prevê que o Bitcoin ainda estaria em franco movimento de crescimento de usuários.

O especialista aponta, por exemplo, que a estabilidade só chegará no momento em que o Bitcoin alcançar bilhões de usuários. Nesse sentido, a criptomoeda ainda estaria no estágio inicial de massificação, na casa dos 2% da curva ascendente.

Em fevereiro, Woo comparou a adoção do Bitcoin à da Internet. Para ele, o BTC ainda se comporta em termos de usuários como a Internet em 1997. No entanto, haveria um grande fator a favor da criptomoeda.

Em termos de adoção, o Bitcoin tem aproximadamente os mesmos usuários que a Internet tinha em 1997. Mas o Bitcoin está crescendo mais rápido. Os próximos 4 anos no caminho atual levarão os usuários de Bitcoin a 1 bilhão de pessoas, o que equivale a 2005 para a Internet.

Ainda assim, os números atuais não mostrariam o quadro completo. Novamente por conta da natureza mais sigilosa do Bitcoin, não é possível monitorar com precisão a quantidade de pessoas que possuem o ativo. Isso porque, como muitos mantêm suas moedas em exchanges, elas não chegam a ir para carteiras pessoais e não acusam a formação de uma nova “entidade”.

O gráfico mostra apenas uma dimensão de HODLers. A maioria dos iniciantes não aparecerá na blockchain.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá