Fim da LINK? ‘Rei’ do DeFi pode cair ainda mais após tombo de 25%, dizem analistas

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • LINK despenca 25% em menos de uma semana

  • Criptomoeda acumulava subida de mais de 200% no mês

  • Analistas enxergam possibilidade de novo tombo à frente

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Mais valiosa entre as criptomoedas que surfam na onda do DeFi, a Chainlink (LINK) vem em queda brusca nos últimos dias. O ativo despencou 25% em menos de uma semana e vem assustando investidores. No entanto, um analista considera que o tombo ainda não está longe do fim.



Na última quarta-feira (19), a LINK chegou a registrar US$ 15,27, segundo o CoinGecko. O preço foi seguido de leve recuperação, mas a tendência de queda continuou. Na tarde desta sexta-feira (21), a LINK é comercializada por US$ 13,85, zerando os ganhos da última semana de alta.

Segundo o analista @Pentosh1, a LINK poderá ter uma recuperação mais à frente. No entanto, o próximo passo provavelmente será de queda.



LINK. Rosa é o que eu quero que a Chainlink faça, verde é o que ela provavelmente fará.

Chainlink (LINK) pode cair ainda mais, diz analista

Outro analista, @PostyXBT, concorda com a visão e

Este é o primeiro mínimo mais baixo e potencialmente a máxima mais baixa que a LINK fez em muito tempo… Será interessante ver se a LINK tem o ímpeto para recuperar este nível. Jogo justo para @Pentosh1 em seu short. Não sou tão corajoso e prefiro comprar o que sobrar neste mercado.

Participe da nossa Comunidade de Trading no Telegram para acessar sinais exclusivos de negociação, conteúdo educacional, discussões e análises de projetos!

Chainlink (LINK) sobe 100% duas vezes, mas cai 25% em poucos dias

A Chainlink registrou dias de forte alta recentemente. No começo de agosto, investidores se animaram com uma subida repentina em 24 horas que levou o preço à máxima de US$ 9,75. Na época, já havia sinais de que a alta ainda não havia terminado.

Cinco dias depois, a criptomoeda alcançou um volume recorde de movimentações na Coinbase. A LINK superou até mesmo o Bitcoin na maior exchange dos EUA e bateu em US$ 13. O avanço já superava 100% em 30 dias.

Na sequência, o ativo seguiu com ganhos fortes até bater em US$ 19,90 no dia 16. Àquela altura, portanto, a criptomoeda já havia disparado 100% acima da máxima de dias antes.

Mas, foi quando as coisas começaram a mudar. A partir daí houve um movimento inverso. Após a máxima histórica, a LINK caminhou lateralmente por alguns dias, e então iniciou franco descenso.

Chainlink (LINK) despenca 25% em menos de uma semana

A LINK, vale lembrar, já chegou a ser alvo de uma suposta campanha de difamação. Um relatório surgiu na web acusando a Chainlink de fraude. No entanto, mais tarde se descobriu que a Zeus Capital, que publicou o documento, era uma empresa de análise de fachada.

Mesmo com a queda, o ativo continua sendo o mais valioso do mundo entre as que são destinadas às finanças descentralizadas. Atualmente, a LINK acumula US$ 5,36 bilhões de valor de mercado.

O segundo lugar é a LEND, com US$ 723 milhões, seguida da SNX, com US$ 667 milhões. A partir daí há forte briga entre ZRX, MKR e COMP, que variam na faixa de US$ 589 a 564 milhões.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá