Fórum Econômico Mundial discute integração de DeFi ao setor público

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • O Fórum Econômico Mundial realizou a sessão “Por trás do hype das finanças descentralizadas” nesta terça-feira (6).

  • O CEO do MakerDAO, Rune Christensen, descreveu o que é DeFi, alguns aplicativos, bem como seu potencial.

  • A Ministra da Economia e Inovação da Lituânia, Aušrinė Armonaitė, falou sobre como o DeFi poderia ser integrado ao setor público.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O Fórum Econômico Mundial realizou sua Cúpula de Governança de Tecnologia Global nesta semana. Na última terça-feira (6), Angie Lau, editora-chefe da Forkast, moderou a sessão “Por trás do hype das finanças descentralizadas”.



Durante a sessão, o CEO da MakerDAO, Rune Christensen, descreveu as finanças descentralizadas (DeFi) e seu potencial.

Além disso, Aušrinė Armonaitė, Ministra da Economia e Inovação da Lituânia, falou sobre como o DeFi pode ser integrado ao setor público. Isso se baseia em sua experiência em fazer da capital Vilnius o centro fintech da União Europeia.



O que é DeFi?

Rune Christensen explicou na ocasião que o DeFi se baseia em fornecer acesso universal a serviços e ferramentas financeiras. Ele enfatizou que qualquer pessoa pode acessá-lo de maneira igualitária.

“Não importa se você é um gestor de fundos de hedge em Wall Street ou se você é uma das 1,7 bilhão de pessoas que nem mesmo têm uma conta bancária. […] Com DeFi, você tem acesso completo. ”

O CEO do MakerDAO apresentou o exemplo favorito dele. Em Buenos Aires, na Argentina, Christensen descreveu que uma nova “economia de tamanho decente” emergiu entre os argentinos que usam a stablecoin DAI como moeda principal, como uma maneira de contornar a hiperinflação que atinge o peso argentino.

DeFi seguindo o modelo de integração das fintechs

A ministra Armonaitė falou a seguir sobre a experiência do seu país de se aproximar de empresas de tecnologia financeira. Ela aponta que o modelo atual poderia ter um potencial de ser aplicado da mesma forma para integrar o setor DeFi. 

Além disso, ela descreveu a Lituânia como um país com um pequeno setor financeiro. Para incentivar mais participantes no mercado, o Banco da Lituânia simplificou o processo de obtenção de uma licença financeira. 

Hoje, o país é reconhecido como o 4º melhor hub fintech do mundo e o 1º na União Europeia. O número de empresas no país aumentou de 54 em 2015 para 230 no final do ano passado.

A Ministro Armonaitė também descreveu a atitude flexível que o setor público adotou para integrar essas empresas. Segundo ela, muitas iniciativas têm pouca exposição regulatória, mas isso não deve impedi-las de participar do mercado. Ela elaborou ainda mais:

“Temos que aplicar uma atitude de ‘ensine mais e castigue menos’ porque esses tipos de negócios, às vezes não consideram riscos ou regras de compliance. (..) Eles precisam de orientação antes da punição. ”

O futuro das finanças descentralizadas

Quando questionado sobre a presença de pessoas perigosas dentro do setor DeFi, Rune Christensen disse que grande parte da indústria se afasta de negócios fraudulentos. Ele guiou a conversa para onde DeFi tem avançado. Um exemplo seria o que chamou de “legos de dinheiro”.

“Basicamente, cada protocolo desempenha sua função específica no sistema e, como há acesso universal, eles se encaixam perfeitamente. […] Eles podem ser combinados e as pessoas podem usá-los exatamente como desejam e criar muitas oportunidades realmente interessantes. ”

O CEO da MakerDAO também disse que, apesar da dinâmica, o DeFi está em uma fase inicial, embora seja “o fim do começo”. Ele destacou que, atualmente, a indústria está trabalhando para se integrar às finanças do mundo real. 

Um exemplo é o uso de ativos do mundo real como garantia para a stablecoin DAI. Ele enfatizou que o DeFi “representa uma oportunidade monumental para reguladores,  políticos e países”.

Ele também disse, “seja lá quem descubra como tornar isso mais fácil” verá uma entrada de capital capaz de diminuir os US$ 8 bilhões em ativos que a MakerDAO controla atualmente.

Christensen concluiu relacionando o setor DeFi com as fintechs, embora ressalte que o DeFi tem a ver com “o outro lado” das finanças.

“Não é como tentar reinventar os bancos do zero ou tentar substituir o sistema financeiro. […] É apenas tentar substituir uma peça específica, que é a peça que basicamente funciona pior agora. ”

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Nick is an Oral Communication Skills Professor and Data Science Specialist in Budapest, Hungary with an MSc in Business Analytics. He is a relative latecomer to the field of cryptocurrency and blockchain technology, but is intrigued by its potential economic and political usage. He can best be described as an optimistic center-left skeptic.<a href="mailto:editorinchief@beincrypto.com">Email him!</a>

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá