Fraudes com COVID-19 e criptomoedas já somam mais de R$ 7 bilhões em 2020

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Crise do COVID-19 abastece fraudes com criptomoedas

  • Em cinco meses de 2020, quase R$ 8 bilhões foram perdidos em fraudes e golpes

  • Dados são oriundos da Cipher Trace, especialista em rastrear lavagem de dinheiro com criptomoedas

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Fraudes com COVID-19 e criptomoedas já somam bilhões de Reais em prejuízos no ano de 2020. Hackers, estelionatários e outros criminosos se utilizam de diversas técnicas diferentes para roubar Bitcoin e outras criptomoedas dos usuários.



A pandemia do COVID-19 está trazendo dificuldades nas áreas da saúde e da economia.

Porém, não é apenas o vírus que causa preocupações. Isso porque, apenas em 2020, aproximadamente R$ 7,8 bilhões de Reais foram perdidos em fraudes, nos primeiros cinco meses do ano.



Logo, é preciso entender quais são os golpes mais comuns que afetam o universo das criptomoedas.

Fraudes com COVID-19 e criptomoedas em 2020

A informação sobre o valor dos golpes realizados com criptomoedas parte de um relatório da CipherTrace. A empresa é especializada em estudos sobre lavagem de dinheiro com criptomoedas.

Assim, de acordo com as informações disponíveis, foram roubados cerca de U$ 1,3 bilhões (R$ 7,8 bilhões), de janeiro a maio de 2020:

Dados sobre fraudes em Blockchain [CipherTrace]
Os números de 2020 já estão se aproximando do total de 2018, embora tenham se passado apenas 05 meses. Porém, o valor ainda está muito distante do recorde de 2020, que corresponde a U$ 4,5 bilhões (R$ 22,9 bilhões).

Nessa linha, as principais formas de fraude ocorridas foram:

  • Roubos de criptomoedas
  • Hackeamento de contas e Exchanges
  • Fraudes (pirâmides, BTC giveaways, etc)

Quais são os problemas mais comuns?

O relatório traz algumas informações importantes sobre os problemas mais recorrentes nas fraudes e golpes que utilizam criptomoedas:

Fraudes com COVID-19 e criptomoedas

Devido à pandemia do novo coronavírus, os criminosos estão conseguindo utilizar a crise para aplicar golpes.

Desse modo, uma das fraudes mais comuns é aquela na qual as vítimas são contatadas pelos criminosos em plataformas legítimas, como fórums, chat do Youtube, Reddit, entre outros.

As vítimas são “seduzidas” a entrar em chats privados com os criminosos; nesse momento, pagamentos em criptomoedas são pedidos em troca de informações, máscaras ou remédios, por exemplo.

Outro esquema fraudulento comum é o phishing, no qual a aparência de sites legítimos é copiada e utilizada para que as vítimas façam pagamentos, sem saber que não se trata do site original. Sites legítimos, como o da Cruz Vermelha e o do Médico Sem Fronteiras, são copiados para este fim.

Finalmente, golpes utilizando e-mails permanecem muito comuns. Neste caso, pedidos de pagamento em criptos são feitos pelas mais variadas justificativas.

Assim, é importante educar os usuários a analisar o link URL dos sites, ao invés de se preocupar apenas com a aparência de legitimidade.

Outros dados importantes

Com o avanço das criptomoedas para o mainstream, os criminosos estão mudando o seu modus operandi.

A utilização de ATM’s (caixas eletrônicos) dobrou, desde 2017. Na maioria das vezes, são caixas localizados nos EUA que enviam criptos para Exchanges de outros países.

Por fim, A Finlândia é o país no qual há o maior movimento de criptomoedas oriundas de atividades criminosas.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Nicolas se formou em Direito pela Universidade Federal do Paraná e é pós-graduado em Gestão de Negócios Internacionais. Atualmente, cursa Jornalismo na FAPCOM. Escreve sobre economia, política e história há alguns anos. Em 2017, após entrar em contato com a tecnologia blockchain, se entusiasmou com o seu potencial e passou a estudar as aplicações da tecnologia aos diversos setores da economia. Seu foco está em discutir as melhores maneiras de alavancar o desenvolvimento nacional através do uso do blockchain e das criptomoedas.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá