• Funcionários do Bradesco teriam operado suposto investimento em Bitcoin
  • Grupo teria, porém, sumido com valor investido
  • Juiz encaminhou processo para a CVM

Um trio de funcionários do banco Bradesco é acusado de golpe com dinheiro de uma cliente após convencê-la a investir em Bitcoin. A suposta vítima entrou com uma ação na Justiça, que já acionou a CVM para investigar o caso.

Segundo a cliente, ela foi convencida por um terceiro, identificado como Bruno Medeiros da Silva, a investir na criptomoeda. Diz ela que foi convencida principalmente porque os administradores do dinheiro já trabalhavam no mercado financeiro. Além disso, o fato de serem funcionários do Bradesco teria gerado confiança no negócio.

Ela afirma ter feito, entre maio de junho de 2018, depósitos de R$ 6 mil e de R$ 4 mil, além de transferência de R$ 2 mil para as contas dos funcionários do banco. Os valores seriam, em tese, para investir em Bitcoin.

O trio, com ajuda de um intermediário, teria criado um grupo de investimento que funcionava basicamente por WhatsApp. No entanto, o grupo não teria dado comprovação de que o dinheiro teria sido usado para comprar Bitcoin. A cliente nunca recebeu, por exemplo, um endereço da criptomoeda.

Após algum tempo, o grupo sempre se esquivava de perguntas sobre os supostos rendimentos. Isso teria acontecido até que, em agosto de 2018, o suposto intermediador da negociação teria deixado de responder. Segundo a autora, o valor investido vale atualmente R$ 14.608,52.

Participe da nossa Comunidade de Trading no Telegram para acessar sinais exclusivos de negociação, conteúdo educacional, discussões e análises de projetos!

Réu deve prestar contas de suposto investimento em Bitcoin

A suposta vítima não menciona nenhum contrato firmado entre as partes. No entanto, os acusados sequer chegaram a se defender das acusações de golpe na Justiça. A cliente pede, por ora, apenas que os acusados entreguem provas de cálculos do suposto investimento.

O magistrado Lincoln Antônio Andrade de Moura, da Comarca de Guarulhos do Tribunal de Justiça de São Paulo, julgou procedente o pedido.

O réu Bruno Medeiros da Silva, dessa maneira, foi condenado a entregar os cálculos e a pagar R$ 1.599 de honorários advocatícios. O juiz também encaminhou o processo para a Comissão de Valores Mobiliários e solicitou abertura de investigação.

O BeInCrypto entrou em contato com o Bradesco e com a autora da ação para obter mais esclarecimentos, mas não recebeu resposta até a publicação da matéria.

Paulo Alves Jornalista

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

Seguir o Autor

Quer saber mais?

Entre para o nosso Canal do Telegram e receba sinais de trade, um curso gratuito de trade e comunicação diária com entusiastas de cripto!

Esse site usa cookies.
Clique aqui para aceitar o uso desses cookies. Veja nossa Política de Cookies

Estamos discutindo isso em nosso Canal de Telegramas

Junte-se a

Sinais diários, análises Bitcoin e chat de traders. Junte-se ao nosso Telegram hoje!

Vamos lá

We are discussing it in our Telegram Channel

Join

We are discussing it in our Telegram Channel

Join