Homem Que Comprava Bitcoin Acusa Caixa de Sumir Com R$ 180 Mil

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Justiça manda banco retomar atividades de conta onde dinheiro foi supostamente bloqueado.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Uma confusão entre depósitos e estornos envolvem o Banco Caixa e R$ 180 mil em Bitcoin. Pelo menos esta era a quantia que o investidor esperava chegar até uma empresa que vende as criptomoedas. No entanto, a Caixa é acusada de ter bloqueado a quantia após um suposto estorno do Banco Itaú.



Um cliente da Caixa fez uma transferência para uma conta do Itaú em busca de investir em Bitcoin. Porém, o valor foi devolvido pelo Itaú, que por consequência terminou bloqueado pelo banco estatal. Sendo assim, o homem ficou sem o dinheiro e sem o investimento em Bitcoin.

Sem dinheiro e sem Bitcoin

Uma simples transferência resultou em um processo analisado pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Instância (TRF-2). Os autos do processo mostram que tudo começou com o proponente da ação e seu saldo de R$ 198 mil na Caixa.



Parte deste dinheiro seria enviado para uma conta no Itaú, de um possível “fornecedor” de Bitcoin. Mas, o Itaú recusou o depósito realizado em nome de uma empresa em nome do homem que move a ação. Essa é a versão apresentada pelo cliente do banco.

“A parte autora informou que realizou um TED ao Banco Itaú, para pagamento de criptomoedas ao seu fornecedor”.

Com a recusa do banco Itaú, o dinheiro deveria voltar para a conta da vítima na Caixa Econômica Federal. Contudo, mediante o estorno da transferência a instituição bancária agiu de forma diferente. Fazendo com que o cliente ficasse sem dinheiro e sem Bitcoin.

Homem mostra provas de dinheiro bloqueado

No total, R$ 198 mil estariam bloqueados pelo Banco Caixa. Para piorar a situação do investidor de Bitcoin, a instituição determinou também o bloqueio total da conta. Assim sendo, o homem ficou sem acesso a conta que mantinha até então naquela empresa.

Para a Caixa, a conta bloqueada teria como motivo movimentações atípicas que poderiam caracterizar um “golpe”. Por isso a conta estava congelada. Para a justiça isso deverá ser esclarecido

“Esclarecer, pontualmente, o motivo do apontamento de fraude/golpe nas contas bloqueadas dos autores”.

Sem saber como receberia seu dinheiro de volta, o cliente procurou a justiça. Sem provas cabais sobre a transferência e bloqueio da quantia por parte da Caixa, a justiça determinou apenas que o acesso a conta seja restabelecido.

“Não consta dos autos nenhum documento que comprove justamente o estorno de R$ 180.873,00 para a conta, nem para qualquer das outras”.

Enquanto isso, o estorno do dinheiro do Banco Itaú segue sem provas documentais. A justiça pediu que a Caixa forneça dados sobre a movimentação do cliente no dia 31 de outubro de 2019. Naquele dia a suposta transferência aconteceu para o fornecedor de Bitcoin.

Você conhece algum investidor de Bitcoin que teve sua conta corrente congelada por bancos? Comente sobre a decisão da justiça e compartilhe no Twitter e ou Facebook.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

TÓPICOS RELACIONADOS

Jornalista apaixonado pelo universo das criptomoedas e seu enorme impacto na sociedade. Conheceu o Bitcoin em 2013 sem saber que a criptomoeda tomaria conta de sua vida anos mais tarde. Já trabalhou em outros portais de notícias sobre criptomoedas, sendo que atualmente é um dos colaboradores do BeInCrypto.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá