Homem que forjou próprio sequestro e deu golpe com Bitcoin tem bens bloqueados na Justiça

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Autor entrou com ação após descobrir que envolvido forjou o próprio sequestro

  • Polícia disse que réu inventou história para desviar dinheiro dos investidores

  • Juiz deferiu bloqueio inclusive dos lucros não obtidos

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

A Justiça do Distrito Federal deferiu um pedido de bloqueio de bens de empresas e pessoas físicas acusadas em envolvimento de golpe com Bitcoin. Um dos réus chegou a ser preso por forjar o próprio sequestro para não pagar dívidas.



O autor, Phillipe Garcia Ribeiro, realizou um investimento inicial de R$ 60.000. O valor seria investido em Bitcoin e lhe renderia rendimentos mensais. No entanto, conforme revelam os autos do processo, as parcelas nunca foram pagas.

Ele entrou na provável pirâmide financeira em janeiro de 2020. Estão arrolados como réus as empresas SAF – Serviços de Assistência Familiar Ltda, SAF Corporate Participação em Sociedades Ltda, Alpha Consultoria E Treinamentos Em Desenvolvimento Profissional Ltda. Além disso, aparece a Suit Pagamentos S.A.



Além disso, aparecem no polo passivo os respectivos sócios Gesllane Nunes de Souza Azevedo, Jose Carlos dos Santos, David Moreira Santos, Silvana De Jesus Santos e Alexsandro Rodrigues Alves, que ficou conhecido por inventar um sequestro.

Participe da nossa Comunidade de Trading no Telegram para acessar sinais exclusivos de negociação, conteúdo educacional, discussões e análises de projetos!

Sequestro forjado

O nome do empresário do mercado financeiro Alexsandro Rodrigues Nunes surgiu no noticiário de Sergipe em março deste ano. Na época, ele relatou à polícia ter sido alvo de sequestro.

Segundo ele, os supostos sequestradores teriam entrado em contato com sua família para pedir senhas de contas de clientes que teriam investido em criptomoeda. A família teria até mesmo recebido fotos de Alexsandro aparentemente sendo torturado.

Os investigadores, no entanto, começaram a duvidar do relato. Embora o saque das contas tivesse sido confirmado, os policiais descobriram que Alexandro teria ido voluntariamente no suposto cativeiro. Ele se hospodeu um hotel, onde provocou hematomas no rosto e até queimaduras no próprio peito para imitar tortura.

Dessa maneira, Alexsandro foi preso em flagrante na própria delegacia após os investigadores descobrirem o golpe. Ele foi acusado de tentar desviar o dinheiro entregue por clientes para aplicação em um investimento fraudulento.

Apesar da diferença no sobrenome, as vítimas do esquema de Bitcoin garantem que Alexsandro Nunes e Alexsandro Alves são a mesma pessoa. Ambos são ligados a Gesllane, sócia-administradora da SAF – Serviços de Assistência Familiar, com capital declarado de R$ 800 mil.

 

R$ 75 mil bloqueados por golpe com Bitcoin

O autor entrou com a ação após descobrir que um dos golpistas havia forjado o próprio sequestro. Ele solicitou o bloqueio judicial dos R$ 60.000 investidos, mais R$ 14.400 de lucros em Bitcoin não sacados.

O juiz Cleber de Andrade Pinto concedeu tutela de urgência até dos rendimentos não honrados, algo incomum em casos similares. O bloqueio soma o total de R$ 74.400.

Diante da prática de atos visando à prejudicar credores, os quais, como se extrai no caderno processual, foram induzidos a fazer investimentos com promessa de retorno financeiro irreal, evidenciando a existência de pirâmide financeira, bem como o comportamento dos sócios denotando tentativa de enganar os investidores, inclusive com sequestro falso, mostra-se possível buscar em seus patrimônios o valor investido pelo autor na empresa de que fazem parte.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Sou editor-chefe do BeInCrypto Brazil desde abril de 2021.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá