Inflação no Brasil deve piorar e deixar real mais fraco em 2021, mostra pesquisa

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Novo levantamento do Banco Central mostra pessimismo do mercado para inflação.

  • Aumento de IPCA e IGP-M em 2021 pode desencadear reajuste da Selic.

  • Além da inflação, o dólar pode ser impactado.

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Mercado aumenta projeção de inflação para 2021 e volta a levantar possibilidade de aumento da taxa de juros, que poderia impactar dólar.

Patrocinados



Patrocinados

O Brasil deverá seguir com problemas para enfrentar a inflação em 2021. Em novo levantamento do Banco Central, o mercado mostra nova dose de pessimismo para os preços em reais para este ano.

Segundo nova edição do relatório Focus do BC, o mercado voltou a piorar estimativas de inflação para 2021. Na média, os agentes ouvidos consideram que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caminha para atingir 3,43%.

Patrocinados



Patrocinados

Já considerando apenas a opinião de quem foi ouvido nos últimos dias, a inflação esperada salta para 3,47%, revelando, então, uma tendência de alta. A projeção subiu de 3,35% e 3,37%, respectivamente, na pesquisa de um mês atrás.

Além disso, o relatório também aponta estimativas de alta para o Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M). De 4,70% há um mês, o mercado passou a ver o índice em 4,94% no fechamento do ano. O crescimento do índice, dessa forma, indica um possível aumento maior dos alugueis para 2022.

Inflação, juros e dólar

A nova alta da projeção de inflação acende novamente o alerta do Banco Central para um possível ajuste nos juros. A estimativa se aproxima da meta fiscal do BC e, por isso, poderia levar a uma antecipação no calendário de reajuste da Selic.

O aumento da taxa de juros funciona como uma trava para a economia. Com crédito mais caro no mercado, o consumo tende a cair e, assim, os preços são contidos. Investidores estão de olho em uma eventual subida da Selic, que por sua vez impactaria positivamente no rendimento de aplicações atreladas ao índice.

Por outro lado, se a Selic de fato subir, o dólar também deverá reagir. A moeda americana vem de queda após subir a R$ 5,50, mas fechou a semana passada em alta em relação aos primeiros dias do ano, por R$ 530. No radar dos investidores está o tamanho do novo pacote de estímulos nos EUA.

Nesta segunda-feira (18), o dólar opera em baixa a R$ 5,27 em dia de mercado fechado nos EUA pelo feriado do Dia de Martin Luther King Jr.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Sou editor-chefe do BeInCrypto Brazil desde abril de 2021.

SEGUIR O AUTOR

Previsões de cripto com o Melhor Canal de Sinais com +70% de acertos!

Entre Agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora