Investidores de Bitcoin estão com mesmo apetite que antecedeu rali de 80%, diz analista

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Dados mostram que grandes investidores compraram Bitcoin a US$ 48.000.

  • Criptomoedas estariam sendo guardadas sob custódia da exchange Coinbase.

  • Da última vez que isso aconteceu, Bitcoin disparou mais de 80%.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Analista aponta que grandes investidores apresentam mesmo comportamento que teria feito Bitcoin valorizar mais de 80% em fevereiro.



O Bitcoin recuou forte na segunda-feira (22) e teve a maior perda da história em dólares. Depois de abrir o dia a cerca de US$ 57.500, a criptomoeda chegou a bater nos US$ 45.900 no dia seguinte. No entanto, a queda não teria desestimulado o apetite de grandes investidores institucionais – muito pelo contrário.

Parte da razão está nas novas compras de Bitcoin por Square e Microstrategy, que aproveitaram o recuo para acumular mais moedas. No entanto, o mesmo parece ter acontecido com gestores de fundos e outros investidores institucionais que não anunciam suas negociações publicamente.



Grandes compradores estão guardando Bitcoin, diz analista

Uma importante pista é a movimentação na exchange de criptomoedas Coinbase, a principal dos Estados Unidos. Preferida pelos investidores de Wall Street, ela costuma apresentar grande volume de negociações quando esses atores estão movendo suas peças no tabuleiro de investimentos em criptomoedas.

A pista mais recente surgiu quando o Bitcoin caiu abaixo de US$ 50.000. A partir daí, a Coinbase passou a registrar alto volume de transferências de Bitcoin para carteiras frias. Esse tipo de carteira é utilizado por clientes da empresa que desejam manter suas criptomoedas em um local seguro. Além disso, o uso desse serviço indica o desejo de não vender o ativo por um longo prazo, acreditando na valorização.

Segundo o analista do mercado de criptomoedas Ki Young Ju, da casa de análise CryptoQuant, houve um movimento de grandes proporções para esse tipo de carteira quando o Bitcoin atingiu US$ 48.000. Dados mostram, por exemplo, que 13 mil bitcoins teriam sido levados a múltiplas carteiras nessa faixa de preço. O montante equivale, dessa maneira, a R$ 624 milhões, ou R$ 3,37 bilhões.

13k BTC fluíram da Coinbase algumas horas atrás. Parece que os BTCs foram para várias carteiras de custódia da Coinbase. Os investidores institucionais dos EUA ainda estão comprando Bitcoin ao preço de 48k. Este é o sinal de alta mais forte que já vi.

Compra similar ocorreu com preço a US$ 32.000

Ju fez uma análise similar em 1º de fevereiro. Naquela data, o analista disse que a Coinbase havia registrado um alto volume de Bitcoin para carteiras de custódia em 31 de janeiro.

Na época, cerca de 15 mil bitcoins foram comprados quando o preço atingiu US$ 32.000 após ter chegado em US$ 37.500 dois dias antes. Além disso, ainda em janeiro, o BTC havia atingido pela primeira vez US$ 40.000.

Desde o suposto sinal de compra de investidores institucionais, o Bitcoin seguiu avançando de preço, acelerou para US$ 46.000 pouco mais de uma semana depois e alcançou o pico acima de US$ 58.000 em menos de um mês. Uma valorização, portanto, de mais de 80%.

No fechamento da matéria, exchanges negociam o Bitcoin a US$ 50.000. Dessa maneira, se o mesmo processo se repetir dessa vez, a criptomoeda poderia ir US$ 90.000 ainda no mês de março.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá