Itaú vai lançar fundo de ações ligadas a criptomoedas após alta procura por ETF

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Itaú prepara novo fundo composto por empresas do setor de criptomoedas.

  • Banco também mira no mercado de tokenização.

  • Iniciativas vêm na esteira de forte procura por ETF de criptomoedas.

  • promo

    Participe da nossa comunidade gratuita no Telegram e obtenha sinais de trade e análises de criptomoedas todos os dias!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O banco Itaú está preparando um novo produto no setor de criptomoedas após se surpreender com alta procura de clientes pelo ETF HASH11, o primeiro da bolsa brasileira a acompanhar um índice de criptoativos.

Patrocinados



Patrocinados

Ao Valor, o diretor da área de Produtos de Investimentos do Itaú Unibanco, Cláudio Sanches, revela que está em preparativos um novo fundo de ações compostos por empresas que atuam no setor de criptomoedas e blockchain. Segundo o executivo, a ideia é oferecer um investimento que consiga capitalizar em cima do sucesso de companhias do ramo.

Ações de empresas de mineração de criptomoedas, por exemplo, acumulam fortes ganhos nas bolsas pelo mundo e estão entre as ações estrangeiras mais procuradas por brasileiros. Um dos destaques é a Riot Blockchain. O Itaú, no entanto, ainda não revela quais empresas comporiam o fundo.

Patrocinados



Patrocinados

“Nesse novo produto, você não vai pegar a alta nas cotações das criptomoedas, mas vai capturar a valorização das empresas que estejam trabalhando com coisas relacionadas. [O novo fundo] deve sair em breve, estamos trabalhando nisso atualmente”, explica Sanches.

O Itaú também mira no mercado de tokenização, que envolve a digitalização de ativos financeiros tradicionais ou bens físicos na blockchain. O setor caminha para alta concorrência de empresas especializadas em cripto que já atuam no setor, como o Mercado Bitcoin e a Liqi.

Segundo Sanches, fará cada mais sentido distribuir ativos tokenizados para os clientes, e a um ritmo mais rápido do que as próprias criptomoedas.

Clientes do Itaú correram para o ETF de criptomoedas

A incursão do Itaú no mundo das criptomoedas não é por acaso. O executivo admite que o mergulho do banco no novo setor se deve primeiro ao pedido de vários clientes e, depois, à forte procura pelo primeiro ETF de criptomoedas do Brasil, gerido pela Hashdex e com coordenação conjunta de Itaú, BTG Pactual e Genial. Até o Banco do Brasil entrou.

Somente até a última segunda-feira (10), o Itaú já capturou mais de R$ 114,5 milhões em aplicações de 6.111 clientes do segmento Personnalité. Embora a participação ainda seja pequena quando levados em conta os mais de um milhão de clientes dessa categoria, o banco se diz surpreso com a procura. Na oferta inicial da B3, o Itaú foi responsável por cerca de 20% dos R$ 615,2 milhões levantados.

Sanches explica que “existiu uma demanda grande, com muitos clientes pedindo algum ativo de criptomoeda”. No entanto, confessa que o ETF é “bastante difícil de entender e três vezes mais arriscado do que a bolsa”, e por isso o banco não recomenda ativamente o investimento.

Hashdex capta investimento da Coinbase

O bom desempenho do ETF também reflete na Hashdex. A gestora brasileira anunciou nesta quarta-feira (12) a captação de US$ 26 milhões em investimento para reforçar time local e iniciar expansão internacional.

A rodada foi foi liderada pelo fundo Valor Capital em conjunto com gigantes como a exchange americana Coinbase, o conglomerado japonês Softbank, que também investe na Ripple, além de Igah, Canary, Globo Ventures, Alexia, Fuse Capital e Endeavor.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Patrocinados
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Sou editor-chefe do BeInCrypto Brazil desde abril de 2021.

SEGUIR O AUTOR

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora

Sinais de mercado, estudos e análises! Entre hoje no nosso Telegram!

Entrar agora