Lei de Proteção de Dados acaba estimulando ataques e extorsão de bitcoin, explica hacker brasileiro

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Hacker explica as motivações por trás dos recentes ataques hackers que estão acontecendo no país.

  • Ele explica porque acha que a recente Lei de Proteção de Dados está criando um novo nicho no mercado negro.

  • Quando atacadas, empresas preferem pagar criptomoedas ao invés de se submeter à lei.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

O brasileiro João Lucas Brasio, que já hackeou Google e Pentágono, comentou sobre ataques hackers que tem se intensificado no Brasil nos últimos meses.



Neste final de ano, importantes instituições brasileiras como o Supremo Tribunal de Justiça e Tribunal Superior Eleitoral, sofreram ataques hackers que colocaram em dúvida a segurança cibernética dos órgãos governamentais.

Grandes corporações também não ficaram de fora. Como noticiado pelo BeInCrypto, a Embraer foi vítima no início de dezembro de um ataque ransomware. Esse tipo de invasão toma controle total do sistema atacado, rouba dados confidenciais e ameaça torná-los públicos caso não seja pago o resgate em criptomoedas, como o bitcoin. 



Em meio a essa onda de ataques, o hacker brasileiro João Lucas Brasio concedeu uma entrevista ao Globo. Na conversa, ele tenta explicar o que motiva os cibercriminosos a focar nas organizações brasileiras.

Aliás, sua explicação causa espanto. Isso porque Brasio declarou que a recente Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) pode ser um dos fatores que levou ao aumento dos ataques:

“Tem havido um aumento exponencial dos ataques desde a vigência da lei, em setembro. As pessoas achavam que com a lei iria haver mais investimento em segurança e menos ataque. Acontece o inverso. Os hackers estavam esperando a vigência da LGPD para atacar.”

Lei que incentiva o crime?

A Lei nº 13.709 foi aprovada em 2018. No entanto, entrou em vigor no Brasil apenas no dia 18 de setembro deste ano.

O seu objetivo principal é garantir a segurança e transparência de informações dos usuários coletadas por empresas. Além disso, a LGPD determina que caso uma empresa, privada ou pública, sofra qualquer tipo de ataque que resulte em vazamento de dados, ela deve notificar a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). 

Dessa forma, caso a entidade conclua que houve negligência da empresa, a lei pode aplicar multas que chegam a 2% do seu faturamento, ou o máximo de R$ 50 milhões.

De acordo com Brasio, é justamente por esse motivo que a lei acabou criando um nicho para o mercado negro:

“A lei é importante, não estou criticando, mas ela causa um efeito colateral inevitável por causa de sanções muito pesadas. O atacante hoje tem uma barganha. Ele te invade e, no privado, ameaça te expor: ‘A LGPD vai dar problema pra você. Que tal você me pagar 20% da multa no privado bitcoin e eu fico quieto?’”

Extorsões de bitcoin estão mais caras 

A extorsão de bitcoins por cibercriminosos não apenas está se tornando mais comum, como também mais cara. De 2019 para 2020, os ataques ficaram 3 vezes mais caros. Além disso, a média roubada por ataque subiu para R$ 1,2 milhão, segundo levantamento da empresa Sophos.

Embora o custo da extorsão de criptomoedas seja alto, Brasio afirma que empresas preferem fazer o pagamento do que se submeter à lei de proteção de dados.

“Antes da lei, se vazasse algum dado, você tinha um problema de imagem e resolvia no marketing. Agora, dependendo do que for, o Ministério Público pode fechar seu negócio. A empresa então paga para não ser exposta.”

O brasileiro João Lucas Brasio é um ‘hacker do bem’. Já foi convidado a atacar importantes sistemas para encontrar defeitos de segurança. Aliás, ele integra um grupo de hackers que mais encontraram falhas nos sistemas do Google

Ano passado, Brasio fundou a empresa de cibersegurança Elytron e atualmente ajuda de forma voluntária órgãos públicos como Polícia Federal, Ministério da Educação e Supremo Tribunal Federal.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Saori Honorato é jornalista e para o BeInCrypto escreve sobre os principais acontecimentos do universo das criptomoedas.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá