Mais airdrops e plataforma DeFi esperam donos de XRP e Spark em 2021

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Haverá pelo menos mais dois airdrops ligados ao token Spark em 2021.

  • Um deles será realizado pela plataforma DeFi Flare Finance.

  • Litecoin, Dogecoin e Stellar também podem ser tokenizados.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

A Flare Networks, criadora do token Spark, preparao uma leva de novidades para o ano de 2021.



Após a fama decorrente do airdrop de Spark para usuários de XRP, a Flare Networks planeja aceitar mais criptomoedas clássicas como garantia para emissão do ativo, além de novo airdrop ligado à estreia de uma plataforma DeFi compatível. Veja o que esperar do projeto neste ano.

Novo airdrop para usuários de XRP

O Spark não foi o único airdrop para usuários de XRP ligado ao projeto da Flare Networks. Ainda este ano, outra distribuição gratuita está prevista pelos desenvolvedores da Flare Finance. Trata-se de uma plataforma DeFi que usará os contratos inteligentes da Flare.



Anunciada ainda em 2020 sob dúvidas da comunidade, a solução pretende ganhar mais adeptos e a confiança dos usuários por meio do airdrop do seu token nativo, YFLR, intermediado pelo DFLR. O processo estará diretamente ligado ao airdrop de Spark para donos de XRP.

Um mês após o depósito do saldo de Spark, a Flare Finance fará um snapshot das carteiras para definir a quantidade de token DFLR que cada um irá receber. A quantidade é definida em 15% do total de tokens FLR presentes no endereço de custódia própria ou de uma exchange parceira do airdrop do Spark.

O token DFLR, no entanto, ainda não terá utilidade prática. Isso porque ele servirá apenas como uma referência para a obtenção do YFLR, o token nativo da Flare Finance. Segundo a empresa, os usuários poderão trocar os DFLR pelo YFLR mais tarde, uma vez que a plataforma esteja no ar.

Airdrop de Spark para donos de Litecoin

Apesar da ligação inicial com a moeda da Ripple, a Flare Networks tem uma blockchain própria para criação de contratos inteligentes. Possuir XRP, portanto, era apenas requisito para o airdrop inicial, mas outros podem estar por vir.

Meses atrás, a empresa já havia dito que a plataforma era agnóstica. Dessa forma, recentemente, a empresa anunciou que vai adotar a mesma estratégia para a segunda moeda da lista, a Litecoin.

É pouco provável que outros airdrops promovidos diretamente pela Flare Networks ocorram no futuro. Isso porque a distribuição para donos de LTC só irá acontece mediante uma redução do repasse aos criadores do projeto.

Dogecoin e Stellar?

No entanto, o time planeja compatibilizar o Spark com outras moedas em breve. Uma delas é a Dogecoin. Em um tweet recente, a Flare apontou que a moeda seria ideal para aplicação em jogos e NFTs.

Trazendo contratos inteligentes, finanças descentralizadas e a primeira ponte sem intermediários para DOGE? A moeda meme mais antiga e comprovadamente guerreira seria de fato a moeda base perfeita para o explosivo ecossistema de NFT, jogos e arte digital.

Além disso, a Stellar Lumens (XLM) ganhou recentemente uma enquete realizada junto à comunidade e pode surgir em breve na lista de moedas compatíveis com a blockchain da Flare.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá