Marca de notebooks promove mineração de criptomoedas e gamers se queixam na web

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • A MSI, uma das principais fabricantes de notebooks gamers do mundo, tentou entrar na onda das criptomoedas.

  • Empresa lançou desafio de mineração com laptop gamer.

  • Comunidade não gostou nada da proposta e criticou a marca na Internet.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

MSI, uma das principais fabricantes de notebooks gamers do mundo, recebeu fortes críticas após tentar surfar a onda da alta das criptomoedas.



A comunidade gamer encheu as redes sociais de reclamações na última quarta-feira (10) após a fabricante de notebooks MSI promover a mineração de criptomoedas. A empresa, uma das principais do mundo no ramo de computadores para jogos, lançou um desafio para testar um novo laptop como equipamento de mineração.

Em um post no blog oficial publicado em fevereiro, a MSI defendeu que o GE76 Raider, um dos notebooks gamer de nova geração da marca, seria capaz de oferecer um rendimento razoável na mineração de Ether (ETH).



Segundo a MSI, a alta do Bitcoin atrai novos usuários para o mercado de mineração de criptomoedas. No entanto, a empresa afirma fabricantes de placas de vídeo não têm capacidade para atender a demanda de novos entrantes.

Isso faz com que os mineradores precisem buscar uma forma alternativa de minerar com notebooks gamers, especialmente os mais recentes com placa de vídeo NVIDIA GeForce RTX 30 Series.

Laptops não são indicados para minerar criptomoedas devido, por exemplo, à baixa capacidade de dissipação de calor. No entanto, de acordo com a MSI, o notebook GE76 Raider com placa de vídeo RTX 3080 pode servir de “quebra-galho” na falta de um equipamento dedicado à mineração.

Em testes conduzidos pela empresa, o notebook entregou hash rate de 52,8 MH/s, equivalente a um PC de mineração com o modelo mais simples RTX 3070. A mesma GPU do notebook utilizada em uma rig de mineração, no entanto, alcança 95,7 MH/s.

Gamers reclamam que mineração causa disparada de preço de placas de vídeo

Placa de vídeo da linha RTX 30 equipada em notebook da MSI disparou de preço no mercado.

As placas de vídeo da linha RTX 30 são as mais potentes da Nvidia e, por isso, são muito procuradas por mineradores. A busca é tanta que a empresa chegou a bloquear a mineração de ETH via firmware, mas não em todos os modelos. Como consequência, os preços de algumas versões que ainda podem minerar dispararam no mercado.

Gamers se queixam da escassez de placas de vídeo para jogos, além dos preços cada vez mais altos. O posicionamento da MSI a favor das criptomoedas, dessa maneira, não agradou os clientes da empresa.

A partir de agora não comprarei nada da MSI, que coloca “gaming” nos perfil do Twitter mas apoia as criptomoedas. As pessoas não podem comprar uma GPU por causa de empresas como você #hipócritas #gaming > #cripto

Agora a MSI está promovendo criptomoedas.

Todos nós sabíamos que este dia iria chegar.

A MSI apagou a publicação após a repercussão negativa, mas o conteúdo ainda pode ser conferido em nos registros do Web Archive. A empresa, por ora, não se pronunciou sobre o caso.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá