Mastercard começará a processar criptomoedas de forma independente

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Mastercard já tinha cartões com suporte a cripto mediante parcerias.

  • Mudança, no entanto, leva o processamento para a rede própria da empresa.

  • Por ora, stablecoins terão preferência.

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

Após a Visa sinalizar suporte às criptomoedas, Mastercard anuncia que passará a processar pagamentos com cripto diretamente na sua rede.



A Mastercard anunciou na noite da última quarta-feira (10) que começará a processar pagamentos em criptomoedas na sua própria rede. Segundo a empresa, “os consumidores e o ecossistema como um todo devem começar a se unir em torno dos criptoativos que oferecem confiabilidade e segurança”.

Hoje já existem no mercado cartões com a bandeira Mastercard compatíveis com conversão de criptomoedas para dinheiro fiduciário. No entanto, até então, o processamento dessa conversão se dava na rede de uma empresa parceria, como Wirex e BitPay, além de exchanges de criptomoedas.



O anúncio da Mastercard ocorre dias após a Tesla anunciar investimento de US$ 1,5 bilhão em Bitcoin. A fabricante de carros elétricos segue os passos de outras empresas de tecnologia que seguiram pelo mesmo caminho, como Square e MicroStrategy, e o Twitter pode ser a próxima.

Além disso, a novidade vem após o CEO da rival Visa dar pistas de que pode começar a aceitar criptomoedas em seu portfólio. Já a Amazon revelou nesta quinta-feira (11) que pode começar a aceitar cripto em breve.

Em comunicado, a Mastercard explica que o suporte direto do processamento de criptomoedas irá eliminar ineficiências. Isso porque o consumidor não precisaria mais converter manualmente cripto em dinheiro. Dessa maneira, a novidade aceleraria também a adoção de pagamentos em criptomoedas por estabelecimentos.

Nossa mudança para oferecer suporte direto aos ativos digitais permitirá que muito mais comerciantes aceitem criptomoedas – uma capacidade que atualmente é limitada por métodos proprietários exclusivos para cada ativo digital.

Mastercard irá aceitar apenas stablecoins – ao menos por enquanto

A escolha de apenas stablecoins, segundo a Mastercard, está ligada à garantia de segurança aos clientes.

Em primeiro lugar, precisamos de proteção ao consumidor, incluindo privacidade e segurança das informações dos consumidores – o mesmo nível de segurança que as pessoas esperam em seus cartões de crédito.

Para isso, a empresa planeja implementar “protocolos de conformidade rígidos”. Além disso, a iniciativa incluiria uma forte política de identificação de clientes, prática conhecida por KYC (know your client). Com isso, a Mastercard pretende “extinguir atividades ilegais e fraudes em redes de pagamento”.

Além disso, o movimento tem a ver com a expectativa em torno de Moedas Digitais de Bancos Centrais (CBDC).

Ainda assim, o investidor defensor do Bitcoin, Mike Novogratz, considera que a notícia é “enorme” para a principal criptomoeda do mundo.

A notícia da MasterCard é enorme. Alguns meses atrás, a comunidade cripto inteira se focaria nisso até o mês seguinte. Agora estamos recebendo tantas notícias boas que quase passam despercebidas. Deixe-me repetir. É uma grande notícia. A adoção das criptomoedas está aqui.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá