Mineradores de bitcoin se recusam a vender e já acumulam 1,8 milhão de BTC

Compartilhar Artigo
EM RESUMO
  • Alta do bitcoin para US$ 19.000 não foi suficiente para convencer mineradores

  • Firma de análise Glassnode afirma que mineradores não estão vendendo

  • Monitoramento foi feito antes da queda do BTC para US$ 16.700 nesta madrugada

  • promo

    Estamos compartilhando informação no nosso grupo de Telegram , siga-nos! E obtenha sinais de trading e análise de criptomoedas diariamente!

The Trust Project é um consórcio internacional de veículos de notícias que criam padrões de transparência.

A recente alta do bitcoin não foi o suficiente para convencer mineradores a venderem. Apesar de o preço da criptomoeda ter atingido mais de US$ 19 mil, criptomineradores vêm acumulando e já mantêm bolo de 1,8 milhão de BTC.



O movimento de mineradors de bitcoin chama atenção porque mineradores não agem como investidores. Ao contrário dos chamados hodlers, que podem acumular em busca de um preço melhor, quem trabalha na mineração não costuma poder esperar. A venda de bitcoins, afinal, é crucial para sustentar o negócio.

Além disso, problemas externos podem afetar as operações. Na China, país que concentra a maior parte dos mineradores do mundo, a crise do coronavírus aliada a enchentes dificultam os trabalhos. A venda de BTC a um ritmo mais acelerado, dessa maneira, não seria surpresa. 



No entanto, as entradas de bitcoin nas carteiras ligadas a mineradores só aumentam. Segundo o cientista de dados Rafael Schultze-Kraft, da Glassnode, mineradores estão se recusando a vender mesmo com o preço se aproximando da máxima histórica.

Os mineradores estão vendendo mais #BTC a esses preços? Acho que não. O indicador Miner Unspent Supply (BTC extraído que nunca foi movido) está em uma tendência ascendente desde o crash em março. Ele cresceu em mais de 10.000 $BTC desde então.

Mineradore já possuem 1,8 milhão de BTC acumulados

Ainda segundo Schultze-Kraft, o aumento de 10.000 BTC sob a posse de mineradores é só a ponta do iceberg. O número se refere apenas às moedas que nunca se moveram. De acordo com o analista, outras entradas recentes contabilizaram outros 100.000 BTC às carteiras.

Na soma do que já havia sendo mantido longe de exchanges, o total já chega a 1,8 milhão de BTC. Na conversão pelo preço da manhã desta quinta-feira (26), o montante equivale a quase R$ 167 bilhões.

O gráfico da Glassnode foi divulgado antes do grande volume de liquidações de bitcoin nesta madrugada. Em questão de minutos, o BTC recuou de cerca de US$ 19.000 para US$ 16.700 pouco antes de 6h, segundo a Coingecko.

Segundo a firma de análise Unfolded, estima-se que tenha havido uma venda em massa de US$ 1,3 bilhão em bitcoin. A Binance, maior corretora do mundo, viu as maiores perdas.

US$ 1,3 bilhão liquidado em todas as bolsas. A maior parte dos danos causados à Binance, quase US$ 650 milhões de posições compradas foram liquidadas.

Dados da Glassnode apontam que chegou a haver US$ 262 milhões de liquidações de posições compradas em apenas uma hora.

Liquidações horárias de posições compradas na Binance US$ 262 milhões às 3h UTC, US$ 163M às 8h UTC.

Por ora, ainda não se sabe se o montante de bitcoin detido por mineradores foram responsáveis pela queda de preço do ativo. Indicadores mostram, no entanto, que o bitcoin pode corrigir ainda mais forte.

Isenção de responsabilidade

Todas as informações contidas em nosso site são publicadas de boa fé e apenas para fins de informação geral. Qualquer ação que o leitor tome com base nas informações contidas em nosso site é por sua própria conta e risco.
Share Article

Sou jornalista e especialista, pela USP-SP, em Comunicação Digital. Já trabalhei em rádio e impresso, mas boa parte da minha experiência vem do online. Desde 2013, colaboro regularmente com o Grupo Globo na área de tecnologia, onde já cobri assuntos diversos da área, de lançamentos de produtos aos principais ataques hackers dos últimos anos. Também já prestei consultoria em projetos do Banco Mundial e da ONU, entre outras instituições com foco em pesquisa científica. Entrei no mundo das criptomoedas principalmente na cobertura de ataques cibernéticos e golpes no Brasil. Atualmente, faço mestrado em Comunicação Científica na Universidade de Granada, na Espanha. Escrevo para o BeInCrypto desde abril de 2020.

SEGUIR O AUTOR

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá

Sinais grátis de compra e venda de criptos, análises do Bitcoin e chat com traders. Entre já no nosso Telegram!

Vamos lá