O Bitcoin não precisa funcionar como dinheiro para dar certo. Ao menos essa é a visão de Michael Saylor, diretor executivo da MicroStrategy.

O executivo da gestora de Wall Street defende a ideia de que o BTC não precisa ser um meio de troca. O assunto rende discussão entre especialistas, posto que alguns acreditam que esse seria um dos requisitos para uma criptomoeda de sucesso.

O caso do Bitcoin, no entanto, seria diferente. Saylor é um dos apoiadores do BTC que creem que a moeda é uma reserva de valor pura. Desse modo, ela poderia ter as mesmas características que ações, ouro e títulos.

Em um tuíte na última quinta-feira (24), o líder da MicroStrategy mencionou que o Bitcoin deve também estar sujeito ao mesmo comportamento de investimentos em imóveis e derivativos.

Ninguém pode comprar uma pizza com suas ações, títulos, imóveis, ouro ou derivativos. Ninguém se importa. #Bitcoin não precisa ser um meio de troca.

Como comprar Bitcoin e entrar no grupo de sinais gratuito do BeInCrypto

Advertisement
Continue reading below

Bitcoin menos arriscado que ouro e dinheiro

Além disso, a declaração de Saylor veio dois dias depois de outra defesa do Bitcoin. Na última terça-feira (22), ele disse em entrevista à Bloomberg que o BTC é o mais seguro na comparação com ouro e dinheiro.

Estamos bastante confiantes de que o bitcoin é menos arriscado do que guardar dinheiro, menos arriscado do que guardar ouro.

A fala foi mais uma defesa do investimento de grandes proporções da MicroStrategy em Bitcoin. Os aportes foram realizados em duas compras massivas de BTC.

Em agosto, a empresa de Wall Street anunciou a compra de US$ 250 milhões em BTC. O valor é equivalente a nada menos que R$ 1,37 bilhão. Já em 14 de setembro, por fim, foram outros 16.796 Bitcoins adquiridos. No total, os ativos em BTC já somam US$ 425 milhões, ou R$ 2,34 bilhões.